Links

ARQUITETURA E DESIGN




Bonjour Tristesse, Berlim, 2015 (Álvaro Siza). Fotografia: Ana Luísa Rodrigues.


Bonjour Tristesse, Berlim, 2015 (Álvaro Siza). Fotografia: Ana Luísa Rodrigues.


Bonjour Tristesse, Berlim, 2015 (Álvaro Siza). Fotografia: Ana Luísa Rodrigues.


Bonjour Tristesse, Berlim, 2015 (Álvaro Siza). Fotografia: Ana Luísa Rodrigues.


Bonjour Tristesse, Berlim, 2015 (Álvaro Siza). Fotografia: Ana Luísa Rodrigues.


Bonjour Tristesse, Berlim, 2015 (Álvaro Siza). Fotografia: Ana Luísa Rodrigues.

Outros artigos:

2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.

ANA LUÍSA RODRIGUES


 


2015. O céu barrava-se de azul. A luz era cristalina, mas às 9 horas da manhã o sol ainda não tinha tido tempo de aquecer o ar. A meteorologia antecipava 22 graus, coisa rara para a cidade de Berlim, num último Domingo de Setembro. Previa-se um dia perfeito.

 

Apanhei o metro na estação U6 de Friedrichstraße em direcção a Schlesische Straße nº8. Era este o endereço. Troquei de linha para a U12 em Hallesches Tor. Em 20 minutos chegava a Schlesisches Tor, já em Kreuzberg. O percurso foi tranquilo, a carruagem vinha praticamente vazia. Saí da estação e logo me enganei. Segui na direcção contrária ao que era suposto e só me apercebi porque o Bonjour Tristesse nunca mais aparecia no meu ângulo de visão, sabendo que se situava apenas a cerca de 100 metros.

 

Continuei vagueando pelo bairro, tentando corrigir a trajectória, na ânsia de o encontrar. O silêncio reinava. Os carros ainda não passavam. Cruzei-me apenas com meia dúzia de jovens que circulavam em contramão, caldados e ensonados, num evidente regresso de uma longa noitada. Um cheiro intenso tresandava o ar, num rasto que se prolongara da noite anterior, dos vários bares que preenchiam os pisos térreos dos edifícios daquelas ruas. As paredes encontravam-se todas pichadas. Os grafittis forravam-nas na sua totalidade. A rebeldia e a revolta foi desenhada com toda a convicção, em todas as superfícies ao alcance da mão. Ali era outra Berlim. Nada tinha de Friedrichstraße.

 

Começava a ficar impaciente, com a sensação de que estaria definitivamente perdida, quando reparei num pequeno edifício que se desalinhava da rua, encaixando-se numa zona densamente arborizada. Parei. Percebi que abria um acesso público que nos encaminhava a um pequeno parque infantil devidamente equipado, que recheava o interior do quarteirão. Decidi desviar-me e circundei-o. Olhei com mais atenção e reparei, impressionada, como se camuflava com grafittis, ofuscando determinantemente a leitura do edifício, as suas formas... Mas havia algo naquela construção que me chamava a atenção... talvez a escala; o diálogo, o encontro dos volumes; o desacerto de planos; o modo como as suas intercepções e torções desenhavam consolas, palas, terraços, espaços intersticiais... não sabia explicar muito bem, mas aquilo era-me familiar... Foi quando me apercebi, para meu espanto, que estava perante a obra de Álvaro Siza.

 

Foi um choque, não estava à espera de a encontrar naquele estado, pois não era aquela a imagem que levava em mente. Já não era branca, afinal. Curiosamente, sentia-me também feliz porque, ultrapassado o “ruído” que aquelas pinturas provocavam, e que simplesmente realçavam um deprimente estado de degradação e desprezo, aquela arquitectura sobressaía. Convenci-me, naquele momento, de que a boa arquitectura permanece intacta para além da epiderme. A boa arquitectura é consistente e intemporal.

 

Retomei a trajectória, certa de que já tinha chegado ao meu destino, e lá vi o edifício a surgir de mansinho, alinhado, arredondando-se, curvando-se, erguendo-se no gaveto, e virando o ângulo que desenha a rua perpendicular. Procurei o pilar que se queria elevar do chão. Mas, para minha desilusão, não o consegui ver porque uma prótese forrava-o. O pilar encontrava-se agora camuflado com efeitos decorativos do restaurante Que Pasa no espaço comercial ao nível da rua. Fotografei-o, para me rir mais tarde, e continuei até ao extremo oposto onde um portão (colocado de um modo desastroso) impedia o acesso às traseiras. Todo o edifício, ao nível do olhar, encontrava-se agredido, sem dúvida, e isto perturbava-me.

 

Entretanto, afastei-me para o lado oposto da rua porque o queria ver ao longe, gravá-lo na minha memória, substituindo todas as imagens que vira antes de ali chegar. Pareceu-me imponente, apesar de se encaixar de um modo subtil, perfeito. Foi quando olhei para o topo do edifício, à procura do Bonjour Tristesse e encontrei um “BITTE LEBN”, um grafitti escrito a vermelho, com letras garrafais, invertendo a letra “E” numa óbvia analogia à inversão do “S” da expressão cravada na fachada, que hoje lhe dá o nome. Estranhei e não percebi o que queria dizer, porque não sei alemão, mas fiquei curiosa.

 

Ao regressar, apressei-me a tentar traduzir o que aquilo queria dizer. “Por favor, vive”, foi o que me disseram que estava ali escrito. Tratava-se de um grito de revolta, ou até de desespero. Revi-me nesta tristeza de o ver desfazer-se, destruir-se, apodrecer, morrer... “Por favor, vive” foi o meu desejo, quando o deixei para trás. E é tudo o que agora me apetece gritar, na esperança de que se salve. POR FAVOR, VIVE.


::::

 

NOTA 1. O que aqui se registou trata-se de um fragmento de uma viagem, um fragmento de um diário pessoal de uma “viajante” à procura de arquitectura, um registo de um encontro e um alerta para o estado actual do Bonjour Tristesse. Talvez seja um registo inesperado e improvável na série de textos que a Artecapital nos tem proporcionado, uma abordagem menos comum, por não se tratar de um ensaio, ou de uma reflexão académica. No entanto, com esta impressão, procurou-se salientar o poder que a arquitectura tem em suplantar o “desastre”, em ir além da epiderme. Acima de tudo, procura ser um grito de alerta para a circunstância da nossa contemporaneidade, onde muita da Arquitectura dos nossos Mestres — aquela que tem sustentado a Teoria e a História, ou as histórias, no ensino da Arquitectura das nossas Escolas — se encontra em mau estado de conservação, quiçá em vias de extinção. O seu testemunho poderá desaparecer se nada se fizer, como já vem acontecendo. Compete-nos ter esta consciência.

 

NOTA 2. Bonjour Tristesse é um projecto de habitação social projectado por Álvaro Siza em Kreuzberg (Berlim, 1984). Foi o primeiro projecto de Siza construído fora de Portugal. Foi desenhado a propósito da Exposição Internacional de Construção de Berlim (IBA), onde participaram vários arquitectos, entre os quais Peter Eisenman, Aldo Rossi ou James Stirling. Trata-se de um edifício de uso misto, que incorpora funções comerciais no piso térreo e residências nos seis pisos superiores, com 46 unidades habitacionais, entre duas caixas de escadas.

 

::::

 

Ana Luísa Rodrigues
Licenciou-se em Arquitectura na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto em 1994, obtendo o grau de Mestre em 2000 na mesma Universidade. É Professora Auxiliar na Escola de Arquitectura da Universidade do Minho, onde obteve o grau de Doutor em 2009, e onde lecciona desde 1999. Em 1994 iniciou a prática profissional, integrando entre 1996 e 2004 a sociedade João Figueira e Associados, Arquitectura e Planeamento Lda., com vista à elaboração do Plano e Projecto de Execução da Nova Aldeia da Luz. Actualmente, é investigadora do Centro de Investigação Lab2.PT.


::::

 

NOTA DO EDITOR
Com a publicação deste texto encerro um ciclo na edição da secção de arquitectura da Artecapital — um percurso que teve início em Maio de 2008 com um artigo a propósito da possível demolição do Robin Hood Gardens. Ao longo destes sete anos, no conjunto dos 50 artigos publicados na secção de arquitectura, foram vários os autores que colaboraram com a Artecapital — autores de diferentes gerações, geografias e filiações que escreveram sobre os mais variados assuntos: da crítica à arquitectura, das exposições às conferências, das bienais às trienais, dos manifestos às entrevistas. A todos, o meu agradecimento.

Porto, Novembro de 2015
Pedro Baía