Links

ARQUITETURA E DESIGN




Charles-Édouard Jeanneret, c. 1910. Fondation Le Corbusier © F.L.C


A Acropolis, Atenas, Setembro 1911; reproduzida em Voyage d’Orient, Carnet 3, p. 123. Lápiz sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Celeiro em paisagem, Jura, Suiça, 15 Outubro, 1902. Lápiz e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Fachada e detalhes de catedral, Siena, Itália, 1907. Lápiz, tinta e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Detalhe de tabernáculo (design de Andrea Orcagna) em Orsanmichele, Florença. Lápiz e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Versailles, França, 1908–1909. Tinta e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C


Casa alemã, 1910; reproduzida em Les Voyages d’Allemagne, Carnet 2,pp. 125–126. Lápiz e aguarela sobre papel. Fundação Le Corbusier © F.L.C

Outros artigos:

2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



NA PEGADA DE LE CORBUSIER

JACOB BRILLHART


 
Para Jacob Brillhart, o desenho é uma maneira de ver. Acabado de se licenciar da School of Architecture da Universidade de Columbia, Brillhart decidiu que iria seguir a tradição consagrada pelo tempo de fazer uma viagem de desenho. Mais tarde, chamando-a de "uma lenta Grand Tour para um jovem inquieto arquiteto", partiu com os seus cadernos, lápis e aquarelas. Ao longo do caminho ficou fascinado com o que viria a chamar de "o primeiro tempo misterioso de desenvolvimento intelectual de Le Corbusier e mais especificamente os seus primeiros cadernos." Essa curiosidade inicial transformou-se numa busca em seguir o mestre quando este viajou através da Turquia, Grécia, Itália, Espanha, França, Holanda, Bélgica e Alemanha - tanto como uma homenagem e como uma maneira de ver o que Le Corbusier viu e aprender com ele. O seguinte excerto vem de Voyage Le Corbusier: Drawing on the Road (W. W. Norton), novo livro de Brillhart sobre as próprias Grand Tours de Le Corbusier e os desenhos que daí resultaram.

Beth Dunlop

 

>>>

 

Extractos de Voyage Le Corbusier: Desenhando na Estrada, de Jacob Brillhart


Le Corbusier [CHARLES ÉDOUARD JEANNERET] foi um arquiteto profundamente radical e progressista, um futurista que estava igualmente e fundamentalmente enraizado na história e na tradição. Era intensamente curioso, viajando constantemente, desenhando, pintando e escrevendo, tudo como forma de se tornar um melhor projectista. Como resultado, encontrou formas intelectuais para ligar as suas bases históricas com o que aprendeu dos seus contemporâneos. Evoluiu de desenhar a natureza para a cópia da pintura italiana do século XIV, para a liderança do movimento Purista que grandemente influenciou a pintura e a arquitetura francesa no início da década 1920. A todo o tempo fazia conexões entre a natureza, a arte, a cultura e a arquitetura que eventualmente lhe deu uma base para pensar sobre o design.

 

Para aprender com a pesquisa criativa de Le Corbusier e ver como ele evoluiu como arquiteto, é preciso entender onde começou. Nunca frequentou uma universidade ou se inscreveu formalmente numa escola de arquitetura. A sua formação em arquitectura foi principalmente autoimposta e foi fortemente influenciada pelos ensinamentos de seu tutor do ensino secundário Charles L'Eplattenier, que lhe ensinou os fundamentos do desenho e das artes decorativas na École d’Art na sua cidade natal de La Chaux- de-Fonds, na Suíça.

 

Após completar os estudos na escola secundária em 1907, L'Eplattenier encorajou Jeanneret a deixar para trás as paisagens rurais e a ampliar a sua visão do mundo fazendo uma viagem formal de desenho através do norte da Itália. Esta pedagogia de aprender a desenhar e aprender através da experiência foi provavelmente influenciada pela longa tradição do Grand Tour, um rito de passagem para aristocratas europeus. A ideia de viagem era considerada necessária para a expansão da mente e para a compreensão do mundo. Arquitetos, escritores e pintores apoderaram-se da ideia, tomando um itinerário modelo pela Europa para ver monumentos, antiguidades, pinturas, paisagens pitorescas e antigas cidades.

 

A experiência incutiu em Jeanneret um enorme desejo de ver e compreender outras culturas e lugares através da arquitetura e do espaço urbano que lhes dá forma. Na Itália expressou o seu primeiro verdadeiro interesse pelo ambiente construído, estudando principalmente detalhes arquitetónicos e elementos de construção.

 

Pouco depois do seu regresso, partiu novamente para Viena, Paris e Alemanha, ficando cada vez mais interessado nas paisagens citadinas e no desenho urbano. Periodicamente, regressou a casa para reactar com L'Eplattenier. Durante as suas viagens, o caderno de esboços surgiu como a principal ferramenta de Jeanneret para registar e aprender, e o desenho tornou-se para ele um meio essencial e necessário do treino em arquitectura. Entre 1902 e 1911 produziu centenas de desenhos, explorando uma ampla gama de assuntos, bem como meios e métodos de registo.

 

Com cada viagem ganhou uma visão mais ampla. À medida que os seus interesses mudavam e se ampliavam, o mesmo se passava com o seu processo de documentar o que via. Ao seu repertório de desenhos em perspectiva de paisagens, maravilhosamente detalhados em aguarela, acrescentou esboços analíticos que capturavam o núcleo das formas espaciais e se tornaram num meio rápido de anotação visual. Durante todo este tempo frequentemente regressou a assuntos antigos e conhecidos para estudá-los através de diferentes perspectivas, a fim de "ver".

 

Giuliano Gresleri, historiador da arquitetura e autor de “Les Voyages d'Allemagne: Carnets” e “Voyage d'Orient: Carnets” (que incluem reproduções de cadernos de Jeanneret durante as suas viagens à Alemanha e ao Oriente), disse: "O que distinguiu a viagem de Jeanneret dos de seus contemporâneos da École e da tradição do Grand Tour foi precisamente a sua consciência de 'ser capaz de começar de novo.’ Uma e outra vez, esta noção destaca-se nas páginas dos seus cadernos. As notas, os esboços e as medições nunca foram fins em si mesmos, nem eles eram uma parte da cultura da viagem. Eles deixaram de ser um diário e tornaram-se um projeto.”

 

Em 1911 Jeanneret concluiu a pedra angular de sua educação informal, uma segunda viagem de desenho que Le Corbusier eventualmente cunhou como a sua "Viagem ao Oriente" (na verdade, o título de um livro de ensaios e cartas que ele escreveu durante as suas viagens lá, publicado em 1966) . Por esta altura, ele estava interessado em entender mais do que apenas os monumentos: ele olhou para a arquitetura e para cultura diária. Tinha dominado a arte do desenho através da prática diária de observar e registar o que via. Através deste exercício rigoroso de aprender a ver, tinha desenvolvido um vasto kit de ferramentas de assuntos, formas de autoria, convenções do desenho (artísticas e arquitectónicas) e meios. Mais importante ainda, através do desenho veio a compreender as persistências na arquitetura - cor, forma, luz, sombra, estrutura, composição, massa, superfície, contexto, proporção e materiais. Quando chegou à Grécia (na metade do seu Viagem ao Oriente), Jeanneret não só proclamou que se iria tornar num arquiteto, mas que estava a trabalhar em direção a uma posição teórica sobre o projeto em torno do qual ele poderia viver e trabalhar ....

 

No final, no entanto, a viagem de desenho foi a educação de Jeanneret e o seu rito de passagem. Presentes nos seus cadernos de esboços estão meios extremamente abrangentes de exploração e descoberta visual. Apesar de nunca ter tido uma educação formal em arquitetura, a sua intensa curiosidade para entender o mundo através do desenho e da pintura e da escrita é o que fez dele um arquiteto tão dinâmico, de quem ainda podemos aprender hoje. As lições que aprendeu formaram a base da sua visão geral e forneceram o conteúdo para o seu posterior texto seminal, “Vers une Architecture”. Também o prepararam para se tornar em Le Corbusier.

 

Espera-se que a maioria dos arquitetos em formação saiam para desenhar edifícios. Jeanneret, no entanto, era curioso acerca de tudo. Enquanto o seu foco principal variava de viagem para viagem, desenhou flora, fauna, pessoas, objetos, arte, padrões e móveis, bem como paisagens, vistas de cidade, espaço interior e urbano, fachadas, detalhes arquitetónicos e de construção, monumentos e arquitetura quotidiana. No entanto, cada período de tempo pode ser amplamente definido por interesses distintos e temas de estudo. Quando aprendia a desenhar em La Chaux-de-Fonds, examinava principalmente o mundo natural, desenhando paisagens, flora e fauna, geometrias e padrões relacionados com as artes decorativas. Durante a sua primeira viagem formal de desenho, a Itália, continuou a explorar as artes decorativas desenhando a superfície e o ornamento dos componentes da construção - principalmente objetos ao invés de lugares.

 

Quando chegou a Viena e a Paris, o seu interesse deslocou-se para os interiores, para o urbanismo medieval e para as vistas urbanas como paisagens. Na Alemanha estudou praças públicas, espaços urbanos e os edifícios emblemáticos que os sustentavam. Até ao momento em que partiu para a sua Viagem ao Oriente, havia ampliado a sua atenção para a cultura e para os espaços urbanos de toda a cidade, como se estivesse a vê-los a partir de três mil metros acima. No entanto, as suas curiosidades de juventude permaneciam: desenhou casas de camponeses, pessoas, comida, cerâmicas simples, plantas, animais, insetos e móveis. [versão portuguesa do original inglês publicado na revista Modern Mag, 18 Abril, 2016]

Free levitra samples generic online buy cialis uk levitra trial free sildenafil 200mg, buy canada levitra sildenafil women citrate india.
Preco de viagra tadalafil cialis india from viagra from uk cheap http://www.socgeografialisboa.pt/cheap-cialis-prices-uk/ cialis online paypal, canada tadalafil levitra walgreens price.
Overdose mg 100 viagra viagra citrate price 100mg sildenafil http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra dosage india tadalafil http://www.saludos.com/award.htm best pills for ed, brand cialis price cialis generic for sale.
Online cialis prescription no buy cialis day next online delivery buy online viagra safely generic levitra cialis o viagra, where to for a get prescription propecia buy cialis cheapest.
Buy online 20mg tadalafil 20mg in tadalafil cialis price india generic levitra cialis buy vardenafil 20mg online, sildenafil citrate 50mg buy online levitra india tablet.
Sildenafil buy india price 5mg cialis best cheap finasteride liquid tadalafil reviews, price levitra walgreens strength cialis vs viagra.
Take vs to cialis viagra when viagra is in india legal citrate tablets tadalafil sildenafil http://www.socgeografialisboa.pt/levitra-vs-cialis-vs-viagra/ levitra bayer online, uk cheap sildenafil bulk viagra.
Cheapest online generic cialis viagra prescription buy cialis vs viagra doses mg cialis vs viagra amazon cost cialis generic low best drugs for ed buy erectile dysfunction pills, of generic cialis picture dosage cialis 20mg.