Links

ARQUITETURA E DESIGN




Imagem 1. Fotografia: Constança Babo


Imagem 2. Fotografia: Constança Babo


Imagem 3. Fotografia: Constança Babo


Imagem 4. Fotografia: Constança Babo


Imagem 5. Fotografia: Constança Babo


Imagem 6. Fotografia: Constança Babo

Outros artigos:

2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



MAXXI ROMA

CONSTANÇA BABO


 

A arquitetura do MAXXI - Museu Nacional da Arte do Séc. XXI - é tão valiosa quanto as obras de arte que abriga. Ao visitá-lo, a experiência estética é impulsionada não só pelos objetos artísticos que nele se encontram expostos, como pelos espaços e suas ligações. O projeto é de Zaha Hadid, arquiteta anglo-iraquiana que, de entre os 273 participantes, foi a vencedora do concurso lançado, em 1998, pelo Ministério da Herança Cultural de Roma. Tal deveu-se, sem dúvida, à capacidade da arquiteta em conceber um edifício que, tendo como ponto de partida a antiga fábrica que ocupava o terreno, se apresenta de acordo com o que arte contemporânea é: uma inequívoca articulação entre o belo e o conceptual, o visual e o físico, numa singularidade de traços e formas que, em conjunto, convidam à vivência do espaço e à sua descoberta.

Contam-se 360 degraus ao longo de toda a estrutura labiríntica, na qual, percorrendo e apreendendo o espaço, se torna clara a complexidade da criação de Zaha Hadid. A particularidade de toda a estrutura é ainda impulsionada pela inserção de alguns outros elementos, tais como a obra de Anish Kapoor (img.3), no rés-do-chão, intitulada Widow e concebida em 2004 propositadamente para esta área. A interação deste objeto de grande dimensão com o espaço envolvente aumenta o impacto no espetador e, como é explicado no texto que apresenta a obra, provoca uma experiência visual, espacial e física, sendo isso mesmo, na verdade, o que ocorre por todo o museu.

O branco, o preto e o vermelho são as cores que ocupam a área central e de entrada no edifício, distribuindo-se pelo espaço em formas geométricas que se cruzam e articulam num design afirmativo e cativante. O metálico e o vidro também predominam na construção do museu, sendo que as zonas mais neutras e despojadas se encontram reservadas às exposições de arte, estas divididas entre uma coleção permanente e várias temporárias.

Perante tal dimensão e magnitude do edifício faz sentido que a temática que, permanentemente, ocupa a galeria 4, no primeiro andar, seja dedicada à Arquitetura e arte em diálogo. Explora-se aí a geometria em paralelo com a abstração, o volume vs. a síntese, a estratificação e a fragmentação, a medida em confronto com o corpo e a ideia do conjunto em relação à do detalhe. Discutem-se elementos que, apesar de aparentemente opostos, nem sempre se contrariam e, pelo contrário, suportam-se e complementam-se, juntos compondo as edificações que decoram o nosso mundo. A exposição mostra projetos, desde os esboços e maquetes a fotografias e vídeos dos espaços, entre os quais se encontram grandes construções, tais como a estrutura que albergou os Jogos Olímpicos de 1960, da autoria de Pier Luigi Nervi, o Novo Centro de Congressos de Roma, de 2016, de Massimiliano e Doriana Fuksas, ou, naturalmente, o próprio projeto do MAXXI. No total contam-se 30 trabalhos de arte e 21 projetos de arquitetura, ambos da autoria de grandes nomes do séc. XX da área do design e das artes. A leitura destas obras e o contacto com elas é, sem dúvida, dinamizado pelas superfícies que, suspensas no tecto na forma de complexas grelhas, em ligação com toda a área circundante, suscitam o envolvimento e ação do público, proporcionando uma experiência ativa.

Com efeito, a arquitetura engenhosa e arrojada de Hadid possibilitou uma visita muito singular a todas as exposições que se realizem no museu, como é o caso das atuais temporárias, uma de fotografia representativa de Itália e uma projeção imagética da artista paquistanesa Shahzia Sikander. Também na mostra do Prémio MAXXI 2016, na galeria 3, verifica-se um estratégico uso do edifício e uma forte interação com este através de obras site specifics, grandes instalações muito singulares que habitam o espaço e se alimentam dele, como se verifica claramente na obra de Riccardo Arena (img.5), que parece romper e nascer do chão. Composta, composta por vários elementos brancos e pretos, a peça parte do pensamento do cosmism, um movimento filosófico que, na Rússia do séc. XIX, teorizou a capacidade do homem dominar as forças naturais. Intitulada Orient 1, diverge esteticamente de uma outra, dourada, que se exibe apenas a uns metros de distância, da autoria do grupo de artistas Zapruder. Com o nome de Zeus Machine (img.6), o grande objeto é, na verdade, o espaço de projeção de um vídeo que procura refletir sobre a sociedade moderna através da conjugação do místico e da realidade política de diferentes tempos e espaços.

Paralelamente a estas obras altamente contemporâneas, através da No.2 de Mark Rothko e da Scratches on the Earth de Mohsen Vaziri Moghaddam, dá-se a primeira impressão do que será a grande exposição já anunciada para março de 2017. A grande coleção do Museu de Arte Contemporânea do Teerão será aqui exposta, o que constituirá um momento imperdível para contemplar e conhecer algumas das maiores criações artísticas já alguma vez realizadas. Contribuirá, também, para reforçar a importância do MAXXI que, desde 2010, se destaca por relacionar a arte mais atual com as grandes produções que compõem a história da arte.

Por se encontrar em Roma, avassaladora capital de arte conhecida como museu aberto, origem de enorme produção artística e raiz da história da arte, este edifício e projeto tão contemporâneos e igualmente inovadores, surgem como um imenso contraste com a carga histórica local e provocam um desafio ao pensamento cultural e artístico.

MAXXI apresenta-se, assim, como a primeira instituição nacional italiana dedicada à criatividade contemporânea. É gerido por uma Fundação, dirigida por Giovanna Melandri e criada, em 2009, pelo Ministério da Herança e Atividades Culturais de Roma. Hou Hanru é, desde 2013, o diretor artístico do museu, havendo uma subdivisão entre a secção do MAXXI Arquitetura, ao cargo de Margherita Guccione, e do MAXXI Arte, da responsabilidade de Bartolomeo Pietromarchi. Pode ainda referir-se uma extensa programação de atividades e eventos que variam desde conversas, conferências, workshops e performances, numa pluralidade e diversidade de atividades que promovem, precisamente, o desenvolvimento criativo da arte contemporânea. Esta programação é acompanhada de um paralelo e contínuo trabalho de nível estético, apoiado pelo centro de pesquisa e biblioteca que, simultaneamente, contribuem para a ligação com o público e possibilitam a oportunidade de pontuais participações deste.

Assim, vivendo em Roma ou apenas visitando a cidade, é importante descobrir este espaço de crescimento artístico, onde o visual e o conceptual se unem na criação de algo maior.

 

Constança Babo

Delivery day uk viagra cheap next cialis bayer http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra images cialis viagra levitra http://www.saludos.com/award.htm best pills for ed, levitra vs cost viagra cost viagra canada what does in.
Vardenafil mg price 20 online buy pharmacy levitra online tadalafil 40 mg http://www.socgeografialisboa.pt/vardenafil-levitra-tadalafil-cialis/ tadalafil e20 pill, price drug vardenafil jelly levitra.
Cialis uk delivery generic online canada cialis online levitra cialis india tadalafil, for cialis lowest prices viagra internet.
Found sildenafil where hcl cheap vardenafil viagra cheap uk best cialis uk suppliers online, soft viagra flavored sildenafil 100mg online vardenafil 20mg.
Online levitra cheap buy viagra or levitra how canada to from viagra buy tadalafil tablets erectafil 20, uk viagra sales buy fast shipping canada viagra.
Generic sildenafil buy india levitra from cialis vs viagra viagra vs viagra super active buy with propecia prescription best pills for ed popular ed pills otc, canada cialis generic buy sildenafil buy citrate tablets 100mg.
Levitra viagra online cialis buy fast cialis delivery online buy http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra costs per pill cialis trial free for http://www.saludos.com/award.htm cheap ed pills otc, sildenafil buy us cialis overdose.