Links

ARQUITETURA E DESIGN




Exposição Bivouac. © Tahon et Bouroullec


Exposição Bivouac. © Tahon et Bouroullec


Exposição Bivouac. © Tahon et Bouroullec


Exposição Album. © Studio Bouroullec


Exposição Album. © Studio Bouroullec


Desenhos da Cadeira Vegetal. © Paul Tahon and Ronan & Erwan Bouroullec


Desenhos da Cadeira Vegetal. © Paul Tahon and Ronan & Erwan Bouroullec


Desenhos da Cadeira Vegetal. © Paul Tahon and Ronan & Erwan Bouroullec


Cadeira Vegetal. © Paul Tahon and Ronan & Erwan Bouroullec


Cadeira Vegetal. © Paul Tahon and Ronan & Erwan Bouroullec


Cadeira Vegetal. © Paul Tahon and Ronan & Erwan Bouroullec

Outros artigos:

2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC

LEVINA VALENTIM E SUSANA NEVES


Os irmãos Ronan e Erwan Bouroullec são dos mais influentes designers contemporâneos. Actualmente o seu trabalho encontra-se em duas exposições: Ronan & Erwan Bouroullec – Album na galeria do Vitra Design Museum (Weil am Rhein, Alemanha), até 6 de Junho, e Bivouac no Centro Pompidou-Metz (galeria 3), até 30 de Julho. Desafiámos a jornalista, artista plástica e fotógrafa Susana Neves a escrever sobre uma peça da autoria destes dois designers: a Cadeira Vegetal.



RONAN E ERWAN BOUROULLEC

Respectivamente licenciados pela Escola Superior de Artes Decorativas de Paris e pela Escola Superior de Artes de Cergy-Pontoise, Ronan (n. 1971) e Erwan Bouroullec (n. 1976) associaram-se em 1999. Ao longo da sua carreira, têm vindo a trabalhar com os mais importantes editores de design, como por exemplo Vitra, Kvadrat, Magis, Kartell, Established and Sons, Ligne Roset, Axor, Alessi, Issey Miyake, Flos, Mattiazzi, Cappellini e, mais recentemente, Flos e Mutina. Paralelamente, continuam a pesquisar, uma actividade essencial para o desenvolvimento do seu trabalho, na Galeria Kreo, pesquisa a partir da qual saíram quatro exposições entre 2001 e 2010. Realizam pontualmente projectos de arquitectura, como a Maison Flottante (Casa Flutuante) em 2006, os showrooms Kvadrat (Estocolmo e Copenhaga) ou ainda o restaurante Dos Palillos do hotel Casa Camper, em Berlim, em 2010.

Eleitos Criadores do Ano no Salon du Meuble em 2002, receberam, entre outros, o Grand Prix du Design da cidade de Paris, em 1998, o New Designer Award da International Contemporary Furniture Fair de Nova Iorque, em 1999, e o Finn-Juhl Prize de Copenhaga, em 2008. A sua colecção Facett (Ligne Roset), a cadeira de escritório Worknest (Vitra) e o canapé Ploum (Ligne Roset) receberam a distinção Best of the Best dos Red Dot Award respectivamente em 2005, 2008 e 2011.

Foram alvo de exposições monográficas no Design Museum, de Londres (2002), Museum of Contemporary Art, de Los Angeles, Museum Boijmans van Beuningen, de Roterdão, e La Piscine – Musée d’Art et d’Industrie, de Roubaix, França (2004), Villa Noailles, de Hyeres, França (2008), Grand Hornu, Boussu, Bélgica (2009), bem como no Arc en Rêve Centre d’Architecture, em Bordéus, e no Victoria and Albert Museum, de Londres (2011).

As suas criações estão presentes nas colecções de instituições como o Museu Nacional de Arte Moderna-Centro Pompidou e o Museu de Artes Decorativas de Paris, o Design Museum de Londres, o Boijmans van Beuningen de Roterdão, o Art Institute de Chicago e o MoMA.

Ronan e Erwan Bouroullec são objecto de duas monografias: Ronan et Erwan Bouroullec – Catalogue de raison, Paris, Éditions Images Modernes / Kreo, 2002, e Ronan et Erwan Bouroullec, Paris, Éditions Phaidon, 2003.



EXPOSIÇÕES

A exposição no Vitra, Album, apresenta esboços e desenhos conceptuais e mostra a importância do desenho no trabalho da dupla. Esta exposição é um olhar sobre as suas fontes de inspiração e, também, sobre os seus processos, com destaque para o permanente questionamento que se evidencia no seu trabalho.

Bivouac, a exposição no Pompidou-Metz, estende-se por mais de 1000 metros quadrados e foi concebida como um acampamento composto por peças dos designers produzidas ao longo de cerca de 15 anos de trabalho. O visitante é convidado a deambular pelo espaço, entre projectos de pesquisa e objectos acabados, produções industriais ou artesanais, percorrendo um espaço pontuado por transparências e jogos de escala. Mais do que uma retrospectiva, esta exposição faz um ponto da situação do trabalho dos designers e das suas pesquisas em constante evolução. Bivouac evidencia a grande variedade de criações e aborda os conceitos-chave da pesquisa destes designers: nomadismo, efemeridade, modularidade e inspiração em formas e estruturas da natureza.

Esta primeira grande exposição monográfica em França sublinha um percurso excepcional, uma carreira internacional pontuada por colaborações com os maiores editores de design, pela presença nas mais importantes colecções e distinguida por numerosos prémios.



A CADEIRA VEGETAL

Fazer uma “cadeira que deveria brotar como uma planta”, “criar uma estrutura original com base numa forma complexa e narrativa de construção. Isto, aliado a um interesse por técnicas altamente avançadas, como o plástico injectado, que permitem números de produção adequados à distribuição em massa” é a génese da Vegetal, uma cadeira de plástico injectado que sintetiza na sua história muitos dos conceitos-chave do trabalho dos irmãos Bouroullec. “Ela vem desse fascínio que temos por móveis antigos inspirados em motivos vegetais. Cadeiras de jardim inglesas, estruturadas em ramos de ferro fundido, por exemplo. Ou aquelas poltronas projectadas nos Estados Unidos, durante a primeira metade do século XX, concebidas a partir de arbustos. Objectos que, em suma, nos levam de volta a um tempo em que as formas eram talvez mais volumosas, menos elegantes ou suaves do que hoje em dia.”

A complexidade dos desenhos iniciais, onde a cadeira tem a fluidez e a elegância de uma planta, e a intenção de criar um objecto poético levaram a que o seu desenvolvimento fosse um longo processo colaborativo entre os designers e a equipa liderada por Egon Bräuning, chefe do Departamento de Desenvolvimento da Vitra.

Para conseguirem seguir a geometria realista de uma cadeira e, simultaneamente, os princípios de ramificação de uma planta, os designers e a equipa da Vitra dedicaram-se a uma abordagem por fases, redesenhando – quer manualmente, quer através de software de modelagem virtual – ao mesmo tempo que iam desenvolvendo os protótipos.

“A cadeira Vegetal não poderia ter passado sem a sofisticação técnica do software moderno, tal como não poderia ter existido sem a delicadeza própria das fases de desenho manual. Foi a estreita associação destes dois processos que foi tão especial. A complexidade da sua forma, que deve ser uniforme como uma árvore ou uma flor o seriam, obrigou-nos a repensar permanentemente o todo em função de cada detalhe: poderia dizer-se que esta cadeira foi redesenhada umas mil vezes.” [1]



SUSANA NEVES / CADEIRA VEGETAL:
O FAUNO SENTADO


Apesar de inspirada na topiária dos jardins históricos norte-americanos, ou seja em “esculturas verdes”, feitas a partir de várias espécies de árvores e arbustos, a “cadeira vegetal” dos irmãos Ronan e Erwan Bouroullec não exige rega nem a vigilância de um jardineiro. O material de que é feita (poliamida colorida), pela grande durabilidade, também muito dificilmente atrairá os bichos que encontram em alguns objectos industriais o conforto de um ninho, precipitando a sua erosão. Por estas razões, pode sossegar o consumidor nostálgico da natureza domesticada: esta é a cadeira ideal para si.

Claro que um conhecedor da História do Design talvez lhe diga exactamente o contrário. A “cadeira vegetal”, produzida e comercializada pela Vitra, empresa multinacional de design de mobiliário (www.vitra.com), após quatro anos de estudo e experimentação dos irmãos Bouroullec, poderá conter o princípio do caos, tão temido pelos antigos egípcios. Porque apesar de cumprir o princípio de similitude com as formas naturais, defendido pelos artesãos egípcios – numa tentativa de manter a harmonia no universo –, a produção em série e o material destas cadeiras situam-nas no reino caótico da ambivalência: dizem-se natura mas não o são.

Dito isto, as “cadeiras vegetais” destes designers franceses são o assento ideal para quem não quer viver sentado em coisa nenhuma, nem num conhecimento prêt-à-porter nem num sedentarismo rotineiro. Para quê ficar sentado numa cadeira que lembra uma grande folha se há bosques por conhecer e jardins por plantar? Sentar-se numa folha gigante é, por outro lado, aceitar um gigantismo de outras latitudes e épocas, ou imaginar-se numa escala outra, cidadão de um outro povo, quem sabe, um liliputiano observado por Gulliver nas suas viagens por terras remotas do mundo.

A inspiração naturalista das cadeiras de Ronan e Erwan Bouroullec evoca também outros tempos, remonta aos séculos XVIII e XIX (sobretudo ao movimento Arts & Crafts britânico), quando a crescente industrialização desencadeou uma “nostalgia da natureza” e a vontade de a levar para dentro de casa, através do design de tecidos, papéis de parede e mobiliário. Na Grande Exposição de 1851, realizada na Grã-Bretanha, causara grande impacto a “cadeira notável criada por Mr. G. Collinson de Doncaster”, constituída por folhas, ramos e bolotas esculpidas em madeira. Sem dúvida, um antepassado da “cadeira vegetal” da dupla de franceses. Curiosamente, a “nostalgia da natureza” foi na altura (e se calhar assistimos hoje a uma repetição deste fenómeno) proporcional à capacidade de a indústria se renovar a partir do design de novos motivos decorativos. A indústria e a expansão das cidades haviam destruído a natureza mas, sentindo a necessidade dos consumidores, e muito em particular dos criadores, se reaproximarem da natureza, a mesma indústria produziu objectos que nela se inspiravam, mas que nunca a poderiam devolver.

Na cultura ocidental, a História da Cadeira levanta o homem do chão e quase sempre senta-o num lugar de poder ou de conforto; não se cultiva entre nós, como acontece no Oriente, estar sentado numa esteira em padmasana, ou seja, na posição que copia a da flor de lótus. Nessa perspectiva ocidental, a cadeira concebida pelos irmãos Bouroullec, sobretudo na fase de projecto, apenas desenhada (ver filme, no site da Vitra: www.tinyurl.com/c3zk7hd), poderia constituir uma espécie de trono, o trono de um fauno, deus dos bosques, mas numa versão democratizada e urbana.

Como se sabe, não é da natureza dos faunos permanecerem sentados durante muito tempo; a reputação do deus Pã, também um fauno, não se fez na imobilidade mas na perseguição de uma ninfa que se transformou em bambu e lhe permitiu construir a conhecida flauta de Pã. Apesar da sua natureza contraditória, a “cadeira vegetal”, comercializada em série pela Vitra, não deixa de manifestar um desejo latente e constante da nossa sociedade mecanizada e monótona: voltar ao bosque e encontrar a folha assimétrica e imprevisível de uma árvore gigante.


::::

NOTAS

[1] Fonte: Entrevista com Constance Rubini, Janeiro de 2009, in www.bouroullec.com/upload/facsimile/vegetal.pdf


LINK:
www.bouroullec.com

::::


Susana Neves
Jornalista de investigação e ficcionista, tem exposto desenhos, esculturas e fotografias em Portugal e no estrangeiro; publicou contos na revista Phala (Assírio&Alvim) e noutros periódicos. Ex-crítica literária no Público, colabora com a Colóquio Letras, a revista Paralelo, da Fundação Luso-Americana, e a revista Egoísta. Desde 2007, desenvolve na Fundação Inatel um trabalho pioneiro de jornalismo etnobotânico. Concebeu inúmeros projectos de Educação pela Arte, destinados a espaços museológicos (FCG, Centro Cultural de Belém e Teatro Viriato). Desde 2010, coordena no Museu do Douro o projecto de educação ambiental “As Árvores que Comiam Papel”.