Links

ARQUITETURA E DESIGN




Chain Reaction_Transformações na arquitectura do hotel


Chain Reaction_Transformações na arquitectura do hotel


Chain Reaction_Transformações na arquitectura do hotel


Chain Reaction_Transformações na arquitectura do hotel


Chain Reaction_Transformações na arquitectura do hotel


Hotéis como Casas/Casas como Hotéis


Hospitabilidade (Parte II)


Hospitabilidade (Parte II) Entrevista a Eduardo Souto Moura


Hospitabilidade (Parte I)


Hospitabilidade (Parte I)


Hospitabilidade (Parte I)


H08 (Nc 302 10, Room 210, Andaz Hotel, London, 14-05-08)


H08 (Lfc 719, Atrium Andaz Hotel, London, 14-05-08; Lfc 707, YOtel, Premium Cabin, Terminal 4 Heathrow Airport, London, 4-05-08)


H08 (Nc 303 _10, The Catch, Andaz Hotel, London, 14-05-08)


Resgate

Outros artigos:

2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

A ROOM WITH A VIEW

SUSANA LOBO


– A Signora não podia fazer uma coisa destas – disse Miss Bartlett – de maneira nenhuma. Tinha-nos prometido quartos para o sul com vista, e juntos. E em vez disso estamos em quartos para o norte, isto são quartos para o norte, dão para um pátio e estão muito separados. Oh Lucy!
– E além disso é cockney! – disse Lucy que tinha ficado ainda mais escandalizada pelo inesperado sotaque da Signora. – É como se estivéssemos em Londres. – Olhou para as duas filas de ingleses sentados à mesa, para a fila de garrafas de água e de vinho tinto que corriam entre eles, para os retratos da falecida Rainha e do falecido Poeta Laureado pendurados atrás, com pesadas molduras, para a nota da igreja Anglicana (Rev. Dr. Cuthbert Eager, Oxford), que era a outra única decoração da parede. – Charlotte, não tens também a sensação de que podíamos muito bem estar em Londres?


Edward Morgan Forster, A Room with a View, 1908



Um quarto com vista é como um lugar à janela. Comprova, em tempo real, a autenticidade da experiência da viagem. De uma deslocação, física, mas, também, emocional. Por isso, quando chegados ao quarto de hotel, o primeiro gesto é sempre o de correr a cortina, confirmar se a vista corresponde à do “postal ilustrado”, se reconhecemos alguns dos signos que nos são familiares. Depois, lá verificamos se tem mini-bar e televisão por cabo. E a paisagem passa para segundo plano.


Face à estratégia de estandardização que se generalizou, ao longo das últimas décadas, no universo das grandes cadeias hoteleiras internacionais (mas não só), em que a um nome-marca se passou a associar uma imagem identitária, homogénea e reprodutível, independentemente da sua localização, com continuidade na filosofia low cost dos easyHotel, surge, agora, em contracorrente, a ideia de design hotel. É um conceito perverso. Afirma uma singularidade como se não houvessem experiências antecedentes (basta lembrar a “obra total” do Radisson SAS Royal Hotel, em Copenhaga, de Arne Jacobsen, para a qual desenha, entre outras peças, as cadeiras Egg e Swan; ou, no contexto português, as parcerias de Daciano da Costa no Hotel Alvor-Praia, com Alberto Cruz, e no Hotel-Casino do Funchal, com Óscar Niemeyer e Viana de Lima). Aposta na diferenciação como se design fosse uma coisa exclusiva, em todos os sentidos (abordagem explorada, desde a década de 40, pelas Pousadas de Portugal). E traduz arquitecto como sinónimo de designer, ou vice-versa. Design, palavra da moda, é, como esta, tão transitória e superficial como as tendências ditadas, pelo star system da indústria, em cada estação.


Mas, afinal, o que é isto do hotel design? Um modelo formal com características tipológicas específicas ou apenas mais uma categoria no sistema de classificação hoteleira, que já não se revê nas tradicionais “cinco estrelas”? Um novo caminho para a experimentação conceptual em torno da temática da arquitectura do hotel ou uma simples operação de charme de um sector esgotado em fórmulas obsoletas e à procura de novos mercados? E como encaram os projectistas (arquitectos e designers), mas também os promotores hoteleiros, esta “nova” parceria? Até que ponto tem estimulado propostas e políticas, arquitectónicas ou turísticas, inovadoras?


São estas algumas das questões suscitadas pela visita à exposição REACÇÃO EM CADEIA: TRANSFORMAÇÕES NA ARQUITECTURA DO HOTEL, integrada no Programa de Arte Contemporânea do Allgarve’08, a cargo da Fundação Serralves. Uma coisa é certa, Arquitectura e Turismo são hoje duas realidades inseparáveis. A Arquitectura alimenta-se do Turismo como o Turismo da Arquitectura. Finalmente se vê retomado o debate disciplinar desencadeado pela explosão turística dos anos 60. Será isto porque assistimos a um novo “boom” do turismo (segundo o estudo Tourism 2020 Vision, da Organização Mundial do Turismo, cerca de 1,6 milhares de milhões de turistas em trânsito previstos para 2020)? Ou porque, na verdade, sob diferentes formas e modelos, nunca deixámos de viver aquela experiência? Como Hans Ibelings afirmou em Coimbra, no Seminário Cidades e Frentes de Água realizado em Março de 2006, “Tourism is not an exception, it has become a rule”.


1. Arquitectura e Turismo
Projecto de Luis Tavares Pereira, comissariado em parceria com Paula Santos e Paulo Martins Barata, a provocação lançada este ano, em Loulé, surge na sequência de “Arquitectos Europeus em Trânsito”, que teve lugar na Fábrica da Cerveja de Faro, em 2007. Do percurso individual de alguns dos mais conceituados arquitectos europeus da actualidade, somos transportados, agora, para uma perspectiva alargada à escala global, tendo como pretexto de reflexão o “Hotel”, enquanto epítome da condição pós-moderna (o “alojamento genérico da Cidade Genérica”, de Rem Koolhaas).


A proposta, organizada em dois núcleos expositivos, o Palacete da Quinta da Fonte da Pipa (Parte I) e o Lagar das Portas do Céu (Parte II), estrutura-se a partir do cruzamento simultâneo de leituras disciplinares distintas, mas em franco diálogo. Num primeiro momento confrontam-se a série fotográfica H08, de Paulo Catrica, a poesia Resgate, de Jorge Gomes Miranda, e um primeiro conjunto de entrevistas vídeo, Hospitabilidade, realizadas por Paulo Martins Barata e Luis Tavares Pereira a diversos criadores (arquitectos, designers, promotores e hoteleiros), entre 29 de Maio e 18 de Julho de 2008. É este módulo que estabelece a transição para um segundo momento, onde se apresentam as restantes entrevistas, a par da antologia de textos literários e ensaísticos, Hotéis como Casas/Casas como Hotéis, da responsabilidade de Jorge Gomes Miranda, e da exposição de projectos de hotéis contemporâneos, nacionais e internacionais, Reacção em Cadeia: transformações na arquitectura do hotel.


Em pleno período de férias de Verão, a oportunidade do tema em debate não podia ser a mais acertada. Ou não nos encontrássemos no Algarve. Pelos dados enumerados em “Turismo”, painel de introdução à exposição, este sector “representa cerca de 35% das exportações de serviços mundiais” e “os gastos efectuados por turistas no estrangeiro atingem a média de 2 milhares de milhões de USD por dia”. Neste panorama, a indústria hoteleira afirma-se como área estratégica de investimento, obrigando os profissionais da actividade a especializar a sua oferta, em resposta às exigências de novas tipologias turísticas.


Dentro da política de descentralização e de consciencialização patrimonial defendida pelos coordenadores do programa Allgarve, propondo a recuperação de lugares, memórias e percursos alternativos à tradicional oferta turística e cultural da região, a escolha dos espaços – o Palacete e o Lagar - é, também ela, extraordinariamente feliz, contribuindo para exponenciar o projecto expositivo de Ainda Arquitectura com Paula Santos e, no seu todo, a experiência do visitante. No entanto, teria sido interessante explorar a hipótese, levantada inicialmente, de intervir em equipamentos hoteleiros existentes, ainda que com as necessárias restrições decorrentes do seu habitual funcionamento, estimulando ao limite a relação entre contexto e conteúdo. Esta combinação teria tido, necessariamente, outro alcance. Quer no confronto directo entre a nova geração de hotéis de produção contemporânea e algumas das propostas mais emblemáticas da arquitectura hoteleira portuguesa dos anos 60 (Hotel do Garbe, Hotel Mar e Sol, Hotel Algarve, Hotel Alvor-Praia, Hotel da Balaia). Quer, por exemplo, numa tradução espacial de “Resgate”, inédito de poesia de Jorge de Miranda (Átrio, Quarto, Rent-a-Car).


2. Reacção à cadeia/Reacção em Cadeia
Chain Reaction remete-nos instintivamente (a mim e, pelos vistos, também ao Luis Tavares Pereira) para Diana Ross. Mas é “ao som” do álbum Substance, dos Joy Division, que percorremos a exposição. Editado, em 1988, pela Factory Records, recupera, na capa idealizada por Peter Saville, o New Alphabet de Wim Crouwel, desenhado em 1967. É este o fio condutor que a dupla encarregue da concepção gráfica da exposição, Artur Rebelo e Lizá Ramalho (R2design), estabeleceu para garantir a unidade de um projecto extremamente fragmentado e disperso, no espaço e nos conteúdos. Embora ilegível, e o próprio Crouwel o admite (experiência que, cruzando com o ensaio de Frederic Jameson “Pós-modernismo, ou, A lógica cultural do capitalismo tardio”, nos remete para a transcendência do hiperespaço pós-moderno), implicando a sua “tradução simultânea” em todas as legendas da exposição, enquanto exercício teórico, o New Alphabet partilha de um mesmo sentido de ruptura, de experimentação e de desconstrução evidenciado nas mais recentes abordagens ao conceito clássico (ou moderno) de “Hotel”.


“Reacção à cadeia” (à política de uniformização subjacente a esta fórmula de gestão empresarial), “Transformações na arquitectura do hotel” é também, uma “reacção em cadeia”, e a quantidade de projectos presentes confirma-o. Seleccionados pela sua pertinência para a discussão levantada, pela originalidade das soluções encontradas e pela diversidade de tipologias propostas, a apresentação dos projectos (construídos ou em desenvolvimento) encontra-se organizada por temas arquitectónicos específicos, consciente e propositadamente, não transparentes (ou não legíveis, como o New Alphabet), subentendendo-se nesta decisão a crítica à categorização serial e linear alimentada pela indústria hoteleira (“património”, “boutique”, “charme”, “design”, “eco”, “leisure”). Na impossibilidade circunstancial de se aprofundar a leitura individual de cada um dos projectos (ao todo, são expostas oitenta obras, encenadas numa estrutura quadriculada que nos reporta para a estandardização do quarto de hotel convencional, e, subliminarmente, para a obsessão por grelhas do “gridnick” Wim Crouwel), do extenso grupo reunido destacam-se, em “Tipologias/Corredores” e “Tipologias/Quartos”, os exemplos mais significativos para o momento de inovação “contagiante” que se vive no sector, sugerindo-se uma comparação entre os princípios normativos sistematizados por Ernst Neufert na sua Arte de Projectar em Arquitectura, (Bauentwurfslehre: Handbuch für den Baufachmann, Bauherren, Lehrenden und Lernenden, com primeira edição, alemã, de 1936), e as combinações de organização e vivência espacial emergentes. São o caso, por exemplo, das performances ambientais de Matali Crasset, no Hi Hotel de Nice; da desconstrução tipológica proposta pelos MVRDV, no Lloyd Hotel de Amsterdão; do regresso figurado ao conforto da “caverna primitiva” sugerido pela equipa OMA+Herzog & de Meuron, no Astor Place Hotel de Nova Iorque; ou da procura de uma essência construtiva do “luxo”, levada a cabo pelos RCR Arquitectes, nos Pavilions Les Cols Restaurant, em Olot. Não se reduzindo à vertente estética de uma abordagem meramente decorativa, estas propostas desafiam os estereótipos da indústria, questionando, a partir dos fundamentos da arquitectura e do design, a identidade da própria situação contemporânea. Pistas para uma discussão futura, pena é que este núcleo não tenha sido mais desenvolvido.


2. Hospitabilidade
Outras possibilidades de reflexão são potenciadas pelas entrevistas a “criadores de hospitabilidade”, onde “casulos” suspensos servem de alegoria à metamorfose a que assistimos no actual panorama da produção hoteleira. Criando espaço dentro de um espaço, estas estruturas definem importantes pausas de introspecção e recolhimento na narrativa da exposição (por isso, não se percebe porque este sistema é adoptado apenas no Palacete). Tal Telémaco em casa de Nestor, Paulo Martins Barata e Luis Tavares Pereira, remetendo-nos para a Odisseia de Homero, encontram o significado de hospitabilidade na “multiplicidade de experiências, contradições, vontades, intuições, visões e desejos” que percorrem os discursos, pensamentos e estratégias desenvolvidos em torno do programa do hotel. Para isso, recorrem ao depoimento de alguns dos intervenientes neste processo, entre promotores, hoteleiros, arquitectos e designers.


Das doze entrevistas realizadas sobressaem, por um lado, a preocupação com a definição contemporânea de “luxo” e de “conforto”, entendendo-se, o primeiro, como “a capacidade de todos os caprichos serem satisfeitos”, (José Miguel Júdice, Lágrimas Hotels & Emotions) ou, numa abordagem mais democrática, como “a percepção de qualidade, a percepção do material” (Antonio Citterio, Arquitecto e Designer Industrial), e, o segundo, como uma das questões mais estimulantes na discussão do que é “um bom hotel” (André Balazs, Hoteleiro), sendo que, em ambos os casos, “um bom arquitecto dá um valor diferencial importante” (Antonio Catalán, AC Hotels); mas também a reivindicação de uma legislação que acompanhe e antecipe a emergência de um “mundo em mudança” (Simon Woodroffe, Yotel). Por outro, desenvolvem-se considerações sobre “identidade”, com dois “caminhos possíveis: o da caracterização (autêntico) e o da imposição (superficial)” (João Pedro Serôdio, Serôdio Furtado & Associados); sobre a relação promotor/hoteleiro/projectista, distinguindo-se o hoteleiro por raramente possuir “experiência no sentido do utilizador” (José Carlos Cruz, Arquitectura e Interiores); e sobre “o hábito enraizado da separação entre arquitectura e o design de interiores”, ou de “quando se concebe um hotel, e sendo da mesma cadeia, ter de se fazer o mesmo ambiente quer em Paris, Tóquio, Porto...” (Álvaro Siza Vieira, Arquitecto). Artur Miranda e Jacques Bec (oitoemponto, interior design) lançam o tema para a antologia de Jorge Gomes Miranda, “Hotéis como casas/Casas como hotéis”, lembrando que “primeiro queriam que o hotel fosse como a casa, de seguida desejaram que a casa fosse como um hotel e depois tornaram a voltar à mesma coisa”. Em tom de desafio, arriscam ainda a ideia de “confeccionar um quarto à medida de cada pessoa”, ao encontro da crescente “vontade de tornar o cliente numa peça única”, deixando em aberto hipóteses de prolongamento da discussão que esperamos não serem esquecidas (infelizmente, a reprodução das entrevistas não está contemplada na publicação do catálogo).


3. Hotéis como casas/Casas como hotéis
A proposta de cruzar, num mesmo instante e num mesmo suporte, textos publicados nas últimas quatro décadas e com estruturas tão díspares quanto as da poesia, do romance, do conto, da peça de teatro e do ensaio, sugere a necessidade de se cartografar com maior rigor a geografia do hotel contemporâneo. Condicionada pelo carácter selectivo da antologia, deixando de fora algumas contribuições que, não sendo exclusivas à reflexão proposta, poderiam traçar novas perspectivas de aproximação ao tema, esta leitura paralela e em “simultâneo” (como a tradução, nas legendas, do New Alphabet), dá-nos as ferramentas para decifrar o alcance real dos projectos apresentados. Tal como o hotel, também a antologia alberga corpos em movimento, no espaço e no tempo, afirmando-se como lugar privilegiado de troca de experiências. Espécie de Hotel Puerta América de papel, em que cada piso/texto encerra a interpretação pessoal de um determinado autor.


O facto de se estabelecer como limite temporal, da recolha de textos realizada, a década de 60, é revelador do impacto que o fenómeno do turismo de massas teve na sociedade de consumo capitalista (Portugal atinge o primeiro milhão de turistas, em 1964, e o segundo milhão, em 1967), reforçando a ideia de que é na continuidade deste primeiro impulso que gravitamos ainda hoje. Curioso é verificar o aparente desequilíbrio que se verifica entre os géneros de produção literária associados a este objecto (na antologia referenciam-se 19 poemas, 31 romances, 4 contos, 1 peça de teatro e 11 ensaios). Se o hotel povoa, desde sempre, o imaginário nostálgico da narrativa romântica (e pós-moderna), o mesmo não se pode dizer sobre a sua centralidade para o discurso formal da crítica. Quer isto dizer que a crítica exclui o romance? Paulo Catrica mostra-nos que não, no seu “ensaio fotográfico” H08.


4. H08
Encomenda específica para este evento, o olhar de Paulo Catrica documenta, a partir de Londres, as transformações na arquitectura do hotel. Centro nevrálgico do pulsar contemporâneo, é aqui que algumas das principais empresas de serviços hoteleiros, como a consagrada Hyatt Hotels & Resorts ou a mais recente YOtel, encontram espaço para inovar, quer segmentando-se em novas marcas, como a ANdAZTM, quer desenvolvendo novos produtos, caso dos hotéis cápsula do Gatwick South Terminal e do Heathrow Terminal 4, que propõem experiências pessoais únicas, aliando contextos singulares a conforto, design e tecnologia.


As imagens de Catrica são imagens “arquitectónicas”. Não só porque falam de arquitectura, mas porque pensam e olham o espaço como um arquitecto. São imagens limpas, “belas”, despidas de pessoas e de ruído, que revelam, a cru, um mundo tudo menos perfeito (fazendo um contraponto com a exposição Mundo Perfeito, de Fernando Guerra). São lugares em suspenso, quase não-lugares, vazios provisórios que antecipamos encherem-se de vida (e de romance), a qualquer instante. São olhares cirúrgicos, intencionais, mas não, por isso, isentos de nostalgia.

Ficamos à espera do catálogo.



Susana Lobo
Arquitecta (Darq/FCT, Universidade de Coimbra). Prepara tese de doutoramento na área de História e Teoria da Arquitectura, pela Universidade de Coimbra, sob o tema “Arquitectura e Turismo”, orientada pelos Professor Doutor José António Bandeirinha (Darq/FCTUC) e Professora Doutora Ana Tostões (IST/UTL).
É bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.