Links

ARQUITETURA E DESIGN




Cartaz / Folha de sala - Exposição Build, Don’t talk. Design Grafico - And Atelier













Outros artigos:

2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



GALERIA DE ARQUITETURA

CONSTANÇA BABO


 


A Galeria de Arquitetura reabriu, no dia 27 de janeiro, com um novo espaço na Rua do Visconde de Bóbeda, próximo da Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto. Instala-se, assim, numa zona da cidade com crescente e vibrante movimento artístico, trazendo novas propostas no âmbito da arquitetura e da arte. Com um ciclo de exposições intitulado Build don´t talk, sugere a construção, tanto arquitetónica como artística, interdisciplinar e conceptual.

A primeira ocasião deste projeto concretizou-se em novembro de 2016, mediante a abertura da Galeria de Arquitetura na sua localização inicial, na Rua do Rosário, inserida no quarteirão de galerias de arte da cidade do Porto, Miguel Bombarda. A exposição inaugural Tabula Rasa consistia unicamente no próprio espaço desocupado, exibindo a sua modesta dimensão quadrangular. O lugar expositivo surgia, pois, como o próprio objeto estético sobre o qual se debruçava a ocasião, convidando à observação da sua forma, estrutura e dimensão, elementos determinantes na área da arquitetura. Nas paredes brancas, apenas se encontrava uma frase discretamente impressa, quase imperceptível, em vinil de recorde com brilho: is this an architectural exhibition? Questionavam-se a prática e a disciplina da arquitetura e os conceitos de exposição e de galeria de arte. A partir daí, era também proposta uma reflexão sobre a relação entre as respetivas práticas e quais as suas possibilidades quando trabalhadas em conjunto.

Hoje, lançam-se os mesmos desafios a quem visitar a nova galeria. Os fundadores deste ambicioso projeto, Andreia Garcia e Diogo Aguiar, eles próprios arquitetos, dão continuidade à procura de suscitar e desenvolver o debate sobre a disciplina da arquitetura e sobre os seus limites.

Desta vez, correspondendo à quinta exposição da Galeria de Arquitetura, mostram-se elementos físicos representativos de vários projetos, na sua grande maioria já concretizados, resultantes da parceria de Filipe Paixão, Rui Martins, Alexandre Trofin, Sandra Andrei, Nicolò Martin e Dennis Sóla. À parte dos dois últimos, que já não integram o grupo de arquitetos, são eles que constituem o Corpo Atelier. Sediado em Vilamoura desde que se formou, há dois anos, o escritório tem apresentado um trabalho jovem e dinâmico, contando já com vários projetos elegantes e de grande escala.

O atelier, representado nesta ocasião no Porto, não surge somente na lógica expositiva, mas também numa laboral, tão inovadora quanto ele próprio. A proposta que Andreia Garcia e Diogo Aguiar conceberam, consiste na cedência do espaço a Filipe Paixão, fundador e diretor do Corpo Atelier, durante três meses, para que este o ocupe e transforme no seu escritório, espaço-laboratório experimental. O arquiteto instala-se agora na Galeria de Arquitetura, ocupando-a com o seu material e utilizando-a como espaço de trabalho, tendo a oportunidade de desenvolver, proximamente, novos projetos para o norte do país e de participar nesta singular experiência, desenhada para expor ao público geral a conceção de projetos arquitetónicos.

No caso de Filipe Paixão, o processo é particularmente conceptual, mais do que físico, algo que se verifica, desde logo, através dos nomes que atribui aos projetos, tais como estrutura de madeira dentro de paredes de pedra ou entre dois muros brancos. É forma de identificação é tão literal quanto narrativa e poética, algo pouco usual na arquitetura. Ora, é esta particularidade que permite compreender como a conceção de cada projeto de Filipe Paixão começa com uma ideia, um conceito, seguido de uma pesquisa através de várias abordagens e práticas, até avançar para a sua materialização.

Como se pode ver exposto na galeria, os estudos surgem de um modo altamente visual e expressivo, compostos por desenhos e colagens, pela imagem, pela cor, pelo traço e por estruturas representativas dos projetos. Estas últimas advêm de uma concepção dos edifícios a partir do que será a sua vista frontal, perspectiva bastante distinta da habitual aérea, tão recorrentemente utilizada por arquitetos na construção de maquetes e plantas. Todos os objetos detêm uma interessante qualidade visual e formal e, de acordo com esta, um forte caráter conceptual e particularmente plástico. O trabalho do arquiteto mostra-se singular e indiscutivelmente próximo da dinâmica e da lógica da criação artística, principalmente no modo como é percecionado e recebido pelo público. Como tal, o conjunto de peças expostas e, certamente, as que irão ser desenvolvidas ao longo do tempo da exposição, permitem compreender a arquitetura como intimamente relacionada e, até, enraizada na esfera da arte.

Este é o primeiro momento do novo ciclo de exposições que evoca o fazer, acompanhado por outras ações que Filipe Paixão considera determinantes na sua área de trabalho, tais como multiplicar, nivelar, preencher ou redefinir. Os verbos representam, justamente, a forma de atuar através da anatomia da própria arquitetura, dos seus elementos, desde a parede, ao chão, à porta ou à varanda. Compõem-se, assim, duas colunas distintas, numa das paredes da galeria, que apresentam o léxico do arquiteto, a sua linguagem, sugerindo ao espectador um jogo de leitura e interpretação, de multiplicação de relações entre palavras e sentidos.

Ora, se o Corpo Atelier procura, através da expansão dos elementos da arquitetura, prolongar as possibilidades da área, no que diz respeito à Galeria de Arquitetura, um dos seus grandes desígnios é o desdobramento dessa mesma disciplina e das artes. Com tal intuito, este projeto abre, de modo inovador, as portas para uma maior compreensão de ambas as áreas e da dinâmica expositiva e de galeria. Quebra barreiras entre práticas e disciplinas e apresenta-se como um lugar de criação, projeção, construção e exposição, amplo, híbrido e plural. E não serão, precisamente, estas características as mais determinantes da arte contemporânea?

 

Constança Babo