Links

ARQUITETURA E DESIGN















Outros artigos:

2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES

CONSTANÇA BABO


 


Este ano comemoram-se os 120 anos do Teatro Carlos Alberto - TeCA que, em 2003, foi adquirido pelo Teatro Nacional São João - TNSJ, o grande teatro da cidade do Porto situado na zona da Batalha. Nesse mesmo ano, o edifício foi objeto de profunda renovação e intenso restauro que alteraram a sua estrutura, a qual, nas últimas décadas, estava utilizada unicamente para exibição cinematográfica.

Este ano, o aniversário do TeCA é festejado com o lançamento de uma notável programação, correspondente ao primeiro quadrimestre da temporada 2017/2018 do grupo do TNSJ, do qual também faz parte o Mosteiro São Bento da Vitória. Acrescenta-se, no interior do TeCA, uma exposição de cartazes de espetáculos passados, intitulada Teatro de Rua (img.5), que celebra a ocasião através de uma década de criações gráficas. Como o teatro anuncia na sua página online, recuperou do arquivo trabalhos dos designers João Faria, Joana Monteiro e Dobra (João Guedes e André Cruz), imagens que dialogaram com a cidade e com o público.

É também numa lógica de diálogo que o TeCA se relaciona com o exterior que o circunda. Para tal, desde a entrada principal que abre-se um espaço e um foyer pouco estruturado que avançam numa continuidade formal até à sala de espetáculos, dotada de um piso escuro que parece prolongar e trazer para dentro o passeio da Rua das Oliveiras.

Quando o teatro foi primeiramente concebido, esta rua era um dos percursos até à porta de entrada da cidade, na antiga muralha Fernandina, área onde hoje encontramos a Torre dos Clérigos. Assim, tratando-se de uma zona de trânsito e fluxo constante de pessoas, foi uma escolha estratégica conceber, aí, um teatro para o povo. De acordo com a época, esse desafio materializou-se num teatro circo, bem distinto da forma de teatro italiano à qual corresponde a casa-mãe do TNSJ. Pensado para todos, o TeCA apresentava uma forma despretensiosa, semelhante a uma arena com assentos em redor. Mas, à medida que as técnicas de construção se desenvolveram e a atividade teatral também, acompanhada por um crescente público, tornou-se crucial um crescimento da infraestrutura, conseguido a partir de uma espécie de sobreposição de layers.

Ora, foi precisamente a esse singular método que o arquiteto Carlos Nuno Lacerda Lopes deu continuidade, quando destacado para fazer as obras de reestruturação do teatro. Interpretando o edifício, identificou uma espécie de caos organizado no qual este assentava, o que decidiu manter, preservando, assim, a memória e a história do teatro. Sendo que, enquanto arquiteto, a sua primeira preocupação foi como responder às crescentes necessidades através dos limites espaciais que lhe eram impostos, tendo a mesma lógica de encaixe revelando-se útil. Projetou, ainda, cada estrutura com uma determinada forma e material, o que contribuiu para uma maior individualidade e dinamismo do projeto. Construiu uma zona de vidro do lado da frente do edifício, onde hoje se encontra uma área utilizada para variados propósitos, e um outro volume, nas traseiras, onde ficou acomodada a sala de ensaios e os escritórios.

Ao mesmo tempo, o arquiteto decidiu manter a intencional aproximação das classes sociais, tão característica e definidora deste edifício e, como tal, em oposição à habitual diferenciação das mesmas, como se vê no teatro à italiana, não incluiu camarotes ou qualquer outra zona de assentos para além da plateia e apenas dispôs duas portas para a sala, uma em cada extremidade. Este conceito de aproximação das pessoas estendeu-se também na conceção do edifício como um espaço aberto com corredores e escadas que facilmente conduzem da sala ao bar e as zonas mais privadas.

Em relação ao espaço do palco, relativamente pequeno, de acordo com a sala, também ela despretensiosa, foi com inteligência que Nuno Lacerda Lopes construiu uma plataforma amovível que permite adicionar um maior avançado de cena, encurtando as filas de cadeiras. Este é acompanhado por uma extensão da teia, estrutura acima dos palcos que comporta os mecanismos de operação, as varas que seguram cortinas, pernas, bambolinas, projetores de luz e cenários. Possibilita-se, assim, uma certa polivalência do espaço, importante, por exemplo, para realizar um espetáculo de maiores dimensões.

Para Nuno Lacerda Lopes a arquitetura é uma área da qual, tal como no teatro, deve resultar um espaço tão vivo quando vivido. Com este intuito, procurou criar experiências e afastar-se das formas geométricas mais rigorosas, lineares e simétricas. A arquitetura, principalmente quando se relaciona com o teatro e com as outras artes, tem a capacidade de se manifestar para além da sua função prática e apresentar resultados verdadeiramente inovadores e criativos.

Foi numa visita guiada, organizada também no âmbito do aniversário do TeCA, que o arquiteto deu a conhecer este complexo e fascinante processo de projeção do TeCA, tão próximo do público quanto dos encenadores, atores e artistas do nosso país. Na ocasião, explicou como este projeto resulta da intersecção entre o seu conhecimento profissional no vasto domínio da arquitetura e a sua entrada na vida do teatro. Em relação a esta última, contam-se alguns momentos como ator, mas destaca-se principalmente a cenografia de espetáculos, na qual Nuno Lacerda Lopes considera confluírem as duas áreas, do teatro e da arquitetura. Acredita que a segunda pode existir como arte cénica quando o espaço cenográfico é o objeto do arquiteto. Para tal, liberta-se da ideia de fazer para fora, para o público, e procura, antes, uma cenografia que se desenha a partir de dentro, para aqueles que pisam o palco. Utiliza materiais e objetos reais, concebendo cenários que existem para além da esfera da ilusão, estendendo a magia da arte cénica a maior uma autenticidade através da força da arquitetura. E, um dos melhores palcos para este momento é, sem dúvida, o deste Teatro Carlos Alberto e o do Teatro Nacional São João.

 

 

Constança Babo

 

Viagra free mexican low rx cialis price cialis vs viagra in cost cialis vs viagra effectiveness india generic brands cialis best ed pills buy ed pills, 40 vardenafil india mg insert cialis 20mg.
Price citrate viagra 100mg sildenafil tadalafil kaufen 10mg cialis vs viagra when to take cialis vs viagra daily use propecia canada cheap best meds for ed best meds for ed, viagra canada price finasteride pakistan in.
Tablets levitra online generic cheap buy viagra viagra cream http://www.socgeografialisboa.pt/levitra-20mg-dosage/ difference between cialis and levitra, uk levitra buy in viagra for at price costco.
Vs cialis tadalafil china levitra cheap discount levitra tadalafil online, generic tadalafil vs cialis paypal cialis canada.
Buy sildenafil from india viagra bulk from viagra india online generic http://www.socgeografialisboa.pt/buy-viagra-uk-no-prescription/ buying viagra from canada, sildenafil citrate generik generic online cialis.
Cialis viagra levitra how does walmart at much viagra pharmacy cost 1mg propecia cheap http://www.socgeografialisboa.pt/cialis-generic-tadalafil/ generic cialis tadalafil 20 mg, generic discount viagra india 20mg buy levitra online.
Ebay sildenafil viagra generic with buy paypal tadalafil cialis buy http://www.socgeografialisboa.pt/propecia-price-in-india/ finasteride 5mg online, free viagra online order canada cost propecia.
Online viagra indian cialis 2.5mg sildenafil purchase whats cialis do, cialis sildenafil 20 mg.
Mg cialis super 20 active viagra guaranteed cheapest http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra vs levitra tadalafil in india http://www.saludos.com/award.htm best erectile dysfunction pills, online viagra compare 1mg finasteride buy.
Sildenafil tablets uk buy prescription no levitra online cialis vs viagra vs levitra doses cialis vs viagra costs cialis tadalafil 20mg ed drugs online online ed pills otc, vs viagra levitra cost cheapest buy online cialis.
Online buy 1mg finasteride desafio viagra do online canada generic from viagra tadalafil tablets for women, vs cialis viagra cost generico propecia.