Links

ARQUITETURA E DESIGN




Superstudio em 1972.


Zeno Fiaschi


Arte de materiais, Projecto Zeno.


Desenhos de Alessandro Poli sobre a propriedade de Zeno Fiaschi para a investigação sobre uma cultura auto-suficiente.


Alessandro Poli, Projecto Zeno sobre uma cultura auto-suficiente, peças para serem reutilizadas, 1979 - 80. © Arquivo Alessandro Poli. Fotografia: Antonio Quattrone.


Extra-Urban Material Culture, Catálogo de instrumentos representados por Michele De Lucchi: Forquilhas, 1973-78.


La moglie di Lot, Galeria Pinksummer, Genova, 2014.

Outros artigos:

2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*

ANTÓNIO COXITO


 


Nos anos 60/70 do século passado foram lançadas sementes de contra-cultura que até hoje não deram o fruto projectado. A desilusão do Modernismo, do funcionalismo e das leituras estruturalistas da sociedade e da ciência implicaram na altura aquele movimento antagónico, o que é cíclico e amnésico ao longo da História.
Na altura advogava-se o fim do consumismo capitalista e defendia-se o regresso à natureza. Não só pouco disso foi conseguido como foi assimilado pela publicidade, convertendo a autenticidade num elemento de marketing e os seus então proclamadores são hoje CEOs de empresas multinacionais. Esta contradição configura uma parte daquilo que se tornou a condição contemporânea.
Se bem que a cultura tenha sido alterada (sexualidade, drogas, formas familiares, ecologia), as políticas mantiveram-se iguais. Se bem que hoje já não exista esquerda e direita política como antes, continua a haver em cima e em baixo como sempre.
Nada de substancial foi alterado ao nível dos partidos políticos, do parlamentarismo, da separação de poderes, das forças da ordem, da propriedade privada ou da democracia capitalista. A democracia capitalista tende assim a tornar-se, como previa Fukoyama, no fim da História.
A visão deste aftermath tem justificado hoje a oportunidade de temas dessa época e de sempre.

 

No Design, uma das reacções manifestou-se no retorno à manualidade contra a mecanização, ao utilizador-construtor, à matéria-prima em lugar daquela já sintetizada e à pesquisa antropológica sobre o significado de necessidade.
Particularmente em Itália, surgiram reflexões e experimentações sobre o tema.
O caso da Extra-Urban Material Culture é paradigmático daquilo que se refere. Este termo surgiu no processo desenvolvido pelos elementos do colectivo radical Superstudio como âmbito da matéria que leccionaram na Faculdade de Arquitectura de Florença até 1978.
No final dos anos 60 Alessandro Poli, membro do Superstudio entre 1970 e 1972, conhece Zeno Fiaschi, um agricultor Toscano que produz o seu mundo com as suas mãos. É iniciado um trabalho de mapeamento das relações que Zeno tece com o outro através dos seus instrumentos. A convite de Adolfo Natalini, elemento fundador do Superstudio, Poli integra o seu projecto pedagógico na cadeira de Plastica ornamentale. Chamam a esses instrumentos os Global Tools, aqueles cuja ideologia da forma é a utilidade.
Os Global Tools estiveram na base de cursos e workshops em 1973 e 1974 com títulos como The Motivation of Architecture, The Galaxy of Objects ou Simple Objects of Use. Novas perspectivas para novas epistemologias.
Na investigação sobre Zeno, Poli procurara "a destruição técnica do objecto" de modo a encontrar as raízes do seu sentido. Defendia que na análise de culturas marginais se descobrem mecanismos de sobrevivência que, ao responderem a padrões diferentes de desenvolvimento, com as mesmas raízes da ciência deduzem uma outra ciência. "Para o Superstudio, Zeno representava a possibilidade de viver em autonomia." [1]
Neste processo, a abordagem dos Global Tools como formas primordiais da Arquitectura e do Design tornou-se numa investigação antropológica, cujo objectivo passou a ser a redefinição da disciplina da Arquitectura e do Design.
Contra o sistema produtivo que nos torna simples utilizadores (ou simples designers), consideraram a existência do designer-utilizador. No caso de Zeno, os objectos encontravam-se em constante reparação. A relação da manutenção de um objecto funciona assim como uma mediação entre nós e o mundo. "Os objectos transformam-se em catalistas mentais para processos de auto-análise que constituem uma terapia libertadora" [2]. Também não nos podemos esquecer do contexto da época, no qual libertadora tem de ser entendido como a mais elevada das qualidades, sendo os arquitectos italianos altamente politizados.

 

No entanto, sobre a documentação reunida, os Superstudio escrevem que "the sequences of photographs, images and objects document [Zeno’s] relationship with the world, and at the same time they are our attempt to rebuild a sense of design processes and uses" [3].
Daqui se pode deduzir que consideram objectos e imagens como válidos para documentar uma relação com o mundo. Por outro lado, damo-nos conta de que o sentido conferido pelas sequências de objectos e imagens é uma representação (uma construção diversa do representado) feita a posteriori pelo Superstudio. Por outras palavras, fazem recurso a paradigmas cartesianos para descrever algo que não é, ab anteriori, sistematizável.
Na Bienal de Veneza de 1978 apresentam este projecto com o título La coscienza di Zeno. Este título remete para o homónimo romance de 1923 onde Italo Svevo, de forma auto-biográfica, faz a psicanálise das maleitas de Zeno Cosini sem encontrar uma solução.

 

Simultaneamente a este projecto onde se pode falar da busca de uma autonomia funcional, os Superstudio desenvolviam abordagens onde a semântica da autonomia era bem diversa. Perante a tecnocracia advogavam uma linguagem própria para o discurso do arquitecto, o que então foi teorizado e praticado por Aldo Rossi e o grupo Tendenza ou por Peter Eisenman no outro lado do Atlântico. Esta era uma autonomia kantiana, definida como a autoridade de conferir a si próprio um julgamento outro que o dos demais.
Essa outra vertente da sua investigação, que não deve ser considerada antagónica mas complementar (num discurso não-determinista) teve na mesma Bienal de Veneza de 1978 a sua apresentação com La Moglie di Lot.
Esta instalação, que consistia num conjunto de figuras de sal que se derretiam com água (mas cuja estrutura interna e conceptual não interessa à presente reflexão), era uma afirmação sobre a autonomia do discurso. Num movimento psicótico, equilibravam a balança com uma radicalidade oposta. Ainda em 1978, no catálogo da re-exposição The Continuous Monument no Istituto Nazionali di Architettura de Florença, era claramente assumido o processo de “demonstratio per absurdum” nas propostas do Superstudio.
Se considerarmos que em 1969 tinham escrito que “the greatest project is always to design a whole life under the sign of reason, a life with precise directions, chosen and serenely accepted, with limits as corner stones [...] eliminating mirages and will-o'-the-wisps such as spontaneous architecture, sensitive architecture, architecture without architects, biological architecture and fantastic architecture” [4], onde a radicalidade seria a de impedir que projectos como La Moglie di Lot ou La coscienza di Zeno singrassem, podemos configurar o mapa de navegação Superstudio.
A chave para a compreensão deste mapa poderá ser encontrada numa afirmação recente de Adolfo Natalini na qual reconhece que “nel Superstudio avevamo una specie di ‘disturbo bipolare della personalità’”[5]. Esta condição tornou-se na própria máquina de subjectividade que a contemporaneidade encerra.

 


António Coxito

 

 

:::

Notas

[1] 2A+P/A, "La Coscienza di Zeno": Notes on a Work by Superstudio, San Rocco, What’s wrong with the primitive hut? #8 Winter 2013
[2] idem
[3] Gianni Pettena, Superstudio, 1966-1982: storie, figure, architettura, Electa Firenze, 1982
[4] Superstudio: lettera da Graz/Trigon 69, Domus 481, 1969
[5] Gabriele Mastrigli, Superstudio, La vita segreta del Monumento continuo, libro d'artista edizione limitata, Monditalia - Biennale di Venezia 2014

 

:::

* Reflexão desenvolvida no âmbito da dissertação de Doutoramento em Arquitectura da Universidade de Évora realizada sob a orientação científica de João Soares.

 


:::

[o autor escreve de acordo com a antiga ortografia]