Links

O ESTADO DA ARTE


Museu Nacional de Arte Antiga

Outros artigos:

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 
share |

O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR

AUGUSTO M. SEABRA

2007-10-15




Ela tem-se em alta consideração. Dos seus começos no ensino recorda: “Comecei por ser monitora (...). Os alunos mais brilhantes eram convidados” (“Notícias Magazine”, 19-09). E se a aluna “brilhante” hoje é ministra da Cultura, sobre si é taxativa:
“Não vejo que haja objectivamente razões que motivem o primeiro-ministro a remodelar a pasta da Cultura. Pelo contrário” (“Expresso” 29-09). A declaração é inédita, e nem consta da praxe dos ministros. Mas ela, Isabel Pires de Lima, tem-se em alta consideração. “Espelho meu, espelho meu...”.

Deputada por acaso, ministra por acaso, imaginou-se ela uma missão: ser a Madona dos Museus. É certo que às vezes se engana, e não sabe bem se é o Museu do Coa ou o Museu do Douro – sucedeu isso a 14 de Novembro do ano passado, numa sessão supostamente de debate com agentes culturais, na sequência dos acontecimentos do Rivoli, em que afinal botou discurso e saiu, que brilhante como é não dialoga com a arraia-miúda. Mas se se engana, é porque são tantos os museus do seu patrocínio e empenhamento, o Coa, o Douro, o de Etnologia em São João Novo no Porto, o novo Museu dos Coches, o do Mar da Língua, o de Multiculturalismo na Estação do Rossio, além de ter negociado (e em que condições!) o da colecção Berardo e, como é folgada a dotação orçamental dos museus portugueses, ter ido dar o seu contributo às finanças do Hermitage, ora em ante-estreia – esperemos ainda um pouco mais, que o Louvre e o Guggenheim também estão no mercado!

Mas não se menospreze em Isabel Pires de Lima a figura da parola incompetente que tão indubitavelmente é. Ela não deixa de ser o poder, e para mais saiu-nos na rifa com este poder do PS a estranha ironia dos responsáveis da Cultura serem ex-comunistas com estruturas mentais em que todavia ainda não ruiu o muro de Berlim.

É por isso que de modo algum pode ser esquecido o caso tristemente exemplar que foi o afastamento de Dalila Rodrigues da direcção do Museu Nacional de Arte Antiga. Pode-se discordar de manifestações de um estilo, pode-se entender que alguns aspectos da sua acção foram sobrevalorizados: nem ser de todo um especialista, tão só um assíduo frequentador de museus, permito-me duvidar que a Colecção Rau, apresentada em 2006, tenha a valia com que foi enaltecida na imprensa local – o que em boa verdade é mais uma questão perante essa imprensa e de modo nenhum subestima que essa foi uma das iniciativas que revitalizaram o interesse público pelo museu.

Impõe-se-me assim recordar que foram de três ordens as razões da minha solidariedade para com Dalila Rodrigues: em primeiro lugar, razões cívicas, por verificar também no seu caso que pessoas ligadas a funções no aparelho de Estado e que publicamente reivindicam, numa democracia liberal, melhores condições para o exercício da sua função, são contudo sancionadas, em exercício cego de autoritarismo; em segundo lugar, razões culturais, porque é indiscutível que Dalila Rodrigues se bateu por renovadas condições e deu uma acrescida projecção ao MNAA com um sensível maior fluxo de visitantes; em terceiro lugar, pela razão singular de ser “vizinho” do Museu, isto é, de em três anos ter testemunhado quotidianamente a renovação de fluxos (lembro, a propósito, que o presidente da Junta de Freguesia de Santos – onde se situa o MNAA – eleito pelo PS, foi um dos primeiros a protestar contra o afastamento).

Em última análise, a acção cultural do Estado tem sempre por objectivo tornar os bens públicos disponíveis à comunidade, e tanto mais assim é nos valores patrimoniais. Por isso mesmo também os museus devem ser entidades abertas, e são-o cada vez mais em diversos sentidos, quando por exemplo até os grandes museus patrimoniais se abrem também a manifestações de arte contemporânea. Mas definidos pela lei e pelos programas de governação os objectivos gerais, a dinâmica pode e deve ser tanto mais salutar quanto houver uma cultura que seja ao mesmo tempo de autonomia e de responsabilidade.

O que o caso do MNAA revelou foi que sob Isabel Pires de Lima, sob seu directo impulso sem dúvida, naquele território dos museus que é o da sua eleição, há antes uma cultura do servilismo e mesmo da falsidade. O miserando abaixo-assinado de 16 directores de museus demarcando-se de Dalila Rodrigues e o texto de um deles, Luís Raposo (mostrando “trabalho” logo após a sua eleição pelos colegas para o Conselho Nacional de Cultura) foram exemplos de onde chega o servilismo. Mas o prémio da perfídia vai sem contestação para a ministra, a própria, que na tomada de posse do novo director, o obediente Paulo Henriques, afirmou ter sido Dalila Rodrigues afastada por uma “avaliação negativa do seu trabalho”, e que “o museu tinha perdido visitantes no primeiro semestre”, como se o facto não estivesse na ordem das coisas comparativamente ao período homólogo do ano transacto, quando do pico de visitantes suscitado pela colecção Rau.

O actual programa de governo para a cultura é um excelente documento, esquecido ou rasgado desde o primeiro dia pelos locatários da Ajuda. O conceito básico é de cultura de redes. Se essa for plenamente entendida, compreender-se-á que há certas instituições que não apenas ocupam um papel simbólico destacado nos equipamentos culturais do país mas se inserem, ou devem ser estimuladas a inserir-se, em redes internacionais de congéneres. Ao contrário do que Pires de Lima e os seus papagaios, os Raposo & Co., afirmam, Dalila Rodrigues nunca equiparou o MNAA ao Prado ou ao Louvre, bateu-se sim para que o principal museu de arte do país tivesse um estatuto autonómico semelhante aos seus congéneres, para ter outra margem de programação, cativação de apoios e relacionamentos internacionais.

Deturpando isso diz a brilhante ministra que as declarações de Dalila Rodrigues “dão quase vontade de rir”. E para dizer o quê de seguida? O que mais gostava ainda ela de lançar? Olha, desta vez não é um museu! “Gostava de ver lançado um grande festival ligado à ópera (...) que fosse o último da temporada europeia. Uma coisa que poderia ter lugar no mês de Setembro” (“Notícias Magazine”).
Pois, então não se está a ver, depois de Salzburgo, de Bayreuth ou de Glyndebourne, ir até Lisboa que agora Frau Lima faz lá o “must”! Se o ridículo matasse!
Mas entretanto, a mediocridade e o servilismo fazem escola nos museus e na cultura de Estado.