Links

O ESTADO DA ARTE


David Shrigley, An important message about the arts. Imagens do vídeo animado, disponível no fim do texto.


David Shrigley, An important message about the arts. Imagens do vídeo animado disponível no fim do texto.


David Shrigley, An important message about the arts. Imagens do vídeo animado disponível no fim do texto.

Outros artigos:

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 
share |

TRABALHAR EM ARTE

MONTSE BADIA

2013-05-06




Há uns dias Paloma Checa fez uma análise do último congresso da IKT (Associação Internacional de Curadores de Arte Contemporânea) (1) celebrado em Madrid. Escrevia sobre os temas abordados nos debates, mas também do que se falou nos encontros informais: da precariedade do trabalho do comissário independente ou, o que é o mesmo, da precariedade de trabalhar em arte. E não diremos que esta era uma situação inimaginável há cinco anos, porque também era impensável que o mundo estivesse governado pelos mercados financeiros da maneira que está agora mesmo.

Nalguns contextos começam-se a tomar medidas: no Reino Unido iniciou-se a campanha “What Next”, uma iniciativa dos responsáveis dos equipamentos culturais, desde teatros a museus, passando por escolas de dança, para promover o investimento público nas artes. O objetivo é que as artes se convertam numa espécie de manifesto na vida política. Trata-se de que os políticos entendam a importância e o valor da cultura (e sim, a cultura pode ter rentabilidade política e económica), ainda que o debate de fundo seja sobre o tipo de sociedade que estamos a construir e em que tipo de sociedade queremos viver. Em Madrid estão a preparar-se fechos no Centro de Arte Reina Sofía. O objetivo é o mesmo, reivindicar o valor da cultura.

Harald Szeemann dizia que os artistas eram como uma espécie de sismógrafos do que estava a acontecer na sociedade, porque detectavam ou refletiam (de maneira consciente ou inconsciente) as mudanças que estavam a ter lugar. A afirmação continua a ser válida também a um nível mais global. No mundo global em que vivemos aumentam as distâncias que separam uma classe extremamente rica e uma grande quantidade de pessoas cada vez mais próximas da pobreza e das necessidades básicas. A sociedade do bem estar está a rebobinar a uma velocidade supersónica. O mundo da arte também reflete esta situação: existe um mundo de leilões milionários, de galerias de arte instaladas na periferia das grandes capitais, localizadas perto de aeroportos privados, de colecionadores vindos de países exóticos capazes de comprar tudo e mais alguma coisa e obras de arte únicas cujo preço tem muitos zeros. E existem profissionais da arte (artistas, críticos, comissários, gestores, designers, etc.) que trabalham com ideias, com contextos, com conteúdos, e que fazem malabarismo com números e orçamentos. Parecia superada a ideia do artista do século XIX e princípios do XX com uma vida tão boémia como pobre, mas parece que volta a ser mais atual do que pensávamos.
O trabalho na área artística vive outra série de contradições também: ainda falamos de comercializar peças únicas ou de edições limitadas (em formatos absolutamente reprodutíveis); de comprar e vender objetos; de acessos limitados; de instituições que cresceram demasiado, sendo-lhes muito difícil adaptar-se à flexibilidade e ao dinamismo que os tempos, as práticas artísticas e o público requerem; de querer/poder ser uma indústria. Trabalhar em arte não é algo “bonito” ou “interessante”, trabalhar em arte é algo necessário, e não é fácil. Tem que ver com ser crítico, com a prática de questionar as coisas, com o descontentamento, com procurar e criar sentido. É claro que como artista, crítico ou comissário se pode criar sentido em qualquer parte, numa página Web ou no corredor de casa. O problema é que se reconheça o valor e a necessidade. Alguém escreveu há tempo: “A cultura é a opção política mais revolucionária a longo prazo”. Não é casualidade que agora mesmo esteja no ponto da mira.



Montse Badia
* Texto original publicado em a-desk.
www.a-desk.org/highlights/Trabajar-en-arte.html


:::::

Nota

(1) Texto de Paloma Checa em: www.a-desk.org/highlights/Valor-e-IKT.html


:::::

Vídeo animado de David Shrigley, An important message about the arts, disponível em: www.youtube.com/watch?v=T6rYDaORe3k&feature=player_embedded