Links

O ESTADO DA ARTE


Capa do diário britânico The Independent, de 24-05-07.


Projeto Deep Zoom Paula Rego Anos 70, uma parceria entre a Microsoft Portugal e a Casa das Histórias Paula Rego

Outros artigos:

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 
share |

A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)

AUGUSTO M. SEABRA

2012-01-04




Quando se proclamou que a Biblioteca compreendia todos os livros, a primeira reação foi de uma felicidade extravagante
Jorge Luis Borges – A Biblioteca de Babel



O conjunto das obras consagradas à arte não reproduz um museu que não existe – sugere-o e, mais rigorosamente, constitui-o, cria um lugar imaginário que só existe por si
André Malraux – O Museu Imaginário





Google é o nome de um motor de busca e o de uma empresa fundada em 1998 por Larry Page e Sergey Brin quando eram ambos doutorandos da Universidade de Stanford na Califórnia. Mas “Google” tornou-se também num termo corrente, tanto que em 2002 a American Society a considerou a “palavra mais útil” do ano, dando mesmo origem a um verbo, “to Google”, consagrado pelo Oxford English Dictionary e o Webster’s Online Dictionary em 2006 – “eu googlo”, “tu googlas”, “ele googla”.

Sem dúvida alguma, o Google é-nos hoje um instrumento de trabalho crucial – como outros meios digitais, caso da Wikipedia. Mas aquilo que ora trabalhamos é muito mais que um utensílio. O grande escritor inglês Evelyn Waugh dizia que “the language is a mindset”, que a linguagem e a língua são um sistema de pensamento. O que ora sucedeu com as tecnologias de informação e os meios digitais é uma autêntica rutura epistemológica, isto é, uma mutação radical dos nossos sistemas de pensamento e de perceção do mundo, que será ainda maior nos que desde a infância usam essas possibilidades.

As tecnologias da Microsoft, da Apple, do Facebook e sobretudo do Google mudaram os nossos padrões de conhecimento e formas de sociabilidade. Há agora um “homem virtual”, na simbiose do seu cérebro com as tecnologias, como tem sido teorizado por Joël de Rosnay, na biologia, ou Pierre Lévy na filosofia do conhecimento, em obras como O Cérebro Planetário e O Homem Simbiótico (Rosnay), ou Cibercultura, Ciberdemocracia ou A Máquina Universo (Levy), de títulos tornados aliás em expressões largamente divulgadas.

Na origem dos trabalhos de Page e Brin esteve a procura de “backlinks”, de reenvios, bem como a de “organizar a informação do mundo e torná-la universalmente útil e acessível”, quando trabalhavam no projeto de “biblioteca digital universal” de Stanford, qual concretização da “Biblioteca de Babel” de Borges.

Até agora, ao recente lançamento de uma nova rede social, Google+, a empresa tem desenvolvido uma panóplia tecnológica que tem também suscitado inúmeras controvérsias. Há ações “antitrust”, sobre o abuso de direito de concorrência, movidas até pelo Congresso americano e a Comissão Europeia. A 14 de dezembro de 2004 a Google anunciou o projeto de digitalizar, no prazo de seis anos, uma quinzena de milhões de livros impressos. Associações de autores, das mais relevantes, moveram-se contra a disponibilização grátis e em linha de textos e obras. O historiador Jean-Noël Jeanneney, então diretor da Biblioteca Nacional de França, publicou um virulento manifesto, “Quand Google défie l’Europe – Plaidoyer pour un sursaut” (“Quando a Google desafia a Europa – em defesa de um sobressalto”). Mas há mais.

Uma célebre capa do diário britânico The Independent, de 24-05-07, assimilava a Google ao projeto totalitário do “Big Brother” em 1984 de George Orwell – “Google is watching you”. Em causa estava (está) a possibilidade de acumular uma base de dados sobre cada utilizador, de cada cidadão. Não menos polémico foi o lançamento do Google Street View, que não se fica pelas ruas e pode entrar pelas casas dentro, violando o próprio conceito de “privacidade” e de “espaço privado”.

Pois foi justamente usando a tecnologia do Street View que foi lançado um novo e deveras ambicioso projeto, o Art Project (www.googleartproject.com), em parceria com museus como o MoMA, o Hermitage, a Tate Britain, a National Gallery, o Van Gogh, os Uffizi, Versalhes, etc., 17 no total. Mas não há só a Google: recentemente em Portugal, a Casa das Histórias Paula Rego, em parceria com a Microsoft, disponibilizou o Deep Zoom (www.tinyurl.com/7zbuu4k), com obras da artista dos anos 70. Não são apenas sites, como a generalidade dos museus e das instituições tem, mas trata-se da introdução da possibilidade de fazer um percurso, de olhar cada obra com diferentes aproximações, perspetivas e percursos.

As mutações tecnológicas vieram também introduzir profundas potencialidades no modo de fazer arte, da “poeisis”, como aliás, ainda de modo ambivalente, fora prognosticado por Heidegger (“Aí, onde existe o perigo, aí também / cresce aquilo que salva”, em liminar citação de Hölderlin). Mas possibilidades novas também no modo de circulação e referência das obras de arte – num exemplo recentíssimo, e ao extremo paradoxal, porque a “street view” por definição é para ser apreendida no local em que foi concebida e concretizada, o site www.houhouhaha.fr propõe-nos uma seleção da “melhor arte de rua de 2011”.

Implicará esta nova possibilidade de reprodutibilidade digital da arte, a agudização do atrofiamento da “aura” da obra, do seu “hic e nunc” como Walter Benjamin já analisara? Ou permite uma concretização inédita e muito mais consequente do “museu imaginário” delineado por André Malraux?


Conclui na próxima coluna


Augusto M. Seabra