Links

O ESTADO DA ARTE


These Associations, Tate Modern, Londres, 2012.


Kiss, Museum of Contemporary Art, Chicago, 2007.


This is So Contemporary!, Venice Biennal 2008.

Outros artigos:

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS

ISABEL COSTA

2017-12-20




 

A recente tendência da arte contemporânea de dar destaque à prática do arquivo tem desencadeado uma tendência para a auto-arquivação, que nos últimos anos que se tem vindo a revelar como uma prática artística. Há, em primeiro lugar, da parte da performance arte a preocupação de questionar diretamente a sua natureza efémera e, em segundo, a vontade da parte dos artistas de interferir na esfera institucional, ao desafiar estruturas arquivísticas participando na história e destino dos seus próprios arquivos. E ainda podíamos acrescentar uma terceira, o facto de os objetos artísticos ganharem cada vez mais vida, e mesmo os efémeros, se perpetuarem ou “sobreviverem” quase autonomamente.

Neste artigo vou falar de Constructed Situations, de Tino Sehgal. Esta é uma série de obras de performance arte que têm no centro da sua preocupação a sua própria arquivação. E que, para além disso, procuram dar uma nova forma ao que temos vindo a compreender como as práticas e possibilidades do arquivo de arte.


[1.] Constructed Situations

Constructed Situations é composta por um conjunto de performances que se desenvolvem em torno de uma ação específica, ou de um “conjunto de circunstâncias”, a que o artista chama de “situações”. Com um grupo de performers, Sehgal cria performances que são apresentadas espontaneamente em espaços não convencionais dentro de museus e galerias.

Na construção das suas peças, Sehgal cinge-se apenas à utilização de um material: o corpo dos performers. Desta forma, os seus materiais são a voz, a língua, o movimento e a interação entre os performers e os participantes. Acreditando na singularidade de cada evento, e por isso, na impossibilidade de o repetir, Sehgal proíbe qualquer tipo de registo das suas performances, impossibilitando qualquer registo físico do seu trabalho, e por isso qualquer arquivo físico tradicional. Constructed Situations é então perpetuada apenas na memória dos visitantes, participantes e intérpretes que fizeram parte do evento. Desta forma, Sehgal confia a história, ou até mesmo a “sobrevivência” do seu objeto, à memória dos participantes e dos seus intérpretes.

Theses Associations é uma das peças que compõem Constructed Situations. Nesta performance, um conjunto de mais de 50 performers de idades diferentes circula pelo hall de entrada na Tate Modern a fingir que são visitantes. Só depois de algum tempo é que nos apercebemos que existe um padrão nos seus movimentos e que o grupo está a desenhar uma coreografia no espaço através de várias ações em loop. Este padrão não é fixo – funciona como um jogo com certas regras que compõem uma estrutura que os performers têm que seguir. Nas suas ações os performers integram o inesperado, procurando o inesperado na relação com o espectador.

Esta peça serve como exemplo de uma obra que usa o ambiente do museu como “estrutura que alimenta” a situação trabalhada, e por isso o evento. Esta peça foi apresentada na Turbine Hall da Tate Modern (no hall do museu) em Londres, no ano de 2012.

Kiss foi apresentado pela primeira vez no Museu de Arte Contemporânea de Chicago, em 2002. É uma escultura construída por dois performers que reencenam o momento antes e o momento depois de um beijo, fazendo referência através dos seus movimentos a míticos casais da história de arte. Kiss faz referência a The Kiss (1889) de Auguste Rodin, a The Kiss (1908) de Constantin Brâncusi, de Gustav Klimt (1907-8) e também a várias pinturas de Gustave Courbet, da década de 1860.

"This is so Contemporary” é uma performance com três performers vestidos com o uniforme de guardas de museu que se passeiam discretamente nas salas do museu. Subitamente este trio começa uma dança muito agitada lembrando bailarinos de jazz, estalando os dedos enquanto cantam a frase “This is so contemporary, This is so contemporary...”. Logo depois voltam às suas posições iniciais e anunciam a performance que acabaram de executar, dizendo “This is So Contemporary! Tino Sehgal! 2005!

Todas estas performances são apresentadas em espaços não tradicionais dentro de museus, tais como locais de passagem, halls de entrada e salas de exposição. Nestes lugares a variedade de estímulos exteriores à performance são aproveitados e integrados nestas on-going performances. A arquitetura destes espaços e a sua funcionalidade como espaço de trânsito para as muitas multidões que habitam o hall e os corredores dos museus, é integrada também. Funciona como uma “situação expandida” que prevê estas interrupções provocadas por estímulos exteriores e as integra como parte da situação que se tenta estabelecer. As situações de Sehgal, apesar de serem apresentadas dentro do museu, abrem-se para várias outras esferas, incluindo o espaço e o ambiente onde são apresentadas, mas também os objetos estáticos e em trânsito que habitam o espaço do museu.


[2.] Situação Expandida

Até onde irá esta situação expandida? Quando analisamos o trabalho de Sehgal, somos tentados a lê-lo a partir da perspetiva de quem deseja instaurar um regime de total imaterialidade da arte. No entanto, ao contrário das políticas de desmaterialização do final dos anos 60, onde a produção de trabalhos imateriais era considerada um escape ao mercado da arte, Sehgal não assume qualquer tentativa de proteger o seu trabalho de ser vendido ou exposto em museus ou galerias de arte. Pelo contrário, a sua relação com estas instituições estéticas é de extrema proximidade. Sehgal comercializa o seu trabalho. Porém, a compra das suas peças não é simples. Nada pode ser registado ou documentado em papel. Numa entrevista a Hans Ulrich Obrist em 2012, Sehgal descreve a venda da peça Kiss ao Moma. Ele descreve que a transação foi feita verbalmente, por um advogado, na presença de Sehgal, dos seus intérpretes e de dois curadores do Moma. Os intérpretes repetiram a peça e as condições sobre a reprodução da obra foram ditas em voz alta e confiadas à memória dos presentes. [1]

Sehgal implica os corpos humanos envolvidos nas suas peças na “sobrevivência” do seu objecto, uma vez que nada do evento é documentado e que a “sua existência” é confiada à memória dos participantes, intérpretes e profissionais do museu. A situação expandida de Sehgal estende-se para lá da galeria do museu - ela entra para dentro do museu, modificando/operando a sua infraestrutura.

No trabalho de Sehgal, o corpo é, em primeiro lugar, um objeto efémero - no momento da produção da peça e logo depois, no momento da sua “de-produção” [2] , o corpo passa a “testemunho vivo” da performance. Assim, o facto do trabalho ser de-produzido (desfeito e intencionalmente não documentado), não faz com que ele “pare de existir”, pelo contrário - por não existir nenhuma documentação, o trabalho é “guardado“, “armazenado“ na memória dos corpos dos performances e “transportado“ na memória dos participantes.

“De alguma forma existe na minha cabeça, no meu corpo e nos corpos daqueles que sabem repeti-la, também existe na sua memória e na memória daqueles que a viram.” [3]
Tino Sehgal

O trabalho do antropólogo Alfred Gell pode ajudar-nos a entender como se materializa esta ideia de situação expandida de que falo. O seu conceito de objecto distribuído [4] reflete sobre os modelos não tradicionais de arquivo em sociedades não ocidentais. Um objecto distribuído é um objecto que se estende na memória coletiva de uma comunidade e que apenas por essa via resiste ao tempo, correndo o risco de se transformar ou até de desaparecer no processo de transmissão de memória coletiva. Da mesma forma, o trabalho de Sehgal cria este objeto distribuído não palpável, distribuído pelos corpos que experienciaram Constructed Situations.


[3.] O Corpo como Arquivo

Numa primeira leitura, podemos pensar que em Constructed Situations Sehgal tenta fugir à construção de um arquivo. Mas o que quererá dizer Tino Sehgal quando nos fala do ato “de-produzir” a sua obra (que confia aos seus intérpretes e participantes) e quando “obriga” as instituições a seguir um protocolo de “passagem de testemunho” de corpo para corpo de forma preservar a sua peça? Não será esta também uma forma de arquivar?

Tino Sehgal em Constructed Situations mostra-nos que existe um arquivo do corpo, e que por isso podemos confiar, quase literalmente, na existência de um “arquivo da carne”. O que está aqui a ser proposto é que, nesta série, o corpo é explorado através de uma perspectiva materialista onde “o que o corpo faz”, tal como qualquer outro material ou objecto, é parte fundamental nesta peça. Se num primeiro momento o corpo é a matéria da obra, num segundo momento é um repositório onde está armazenado parte do evento.

Como sugere Rebecca Schneider [5] no artigo “Performance Remains”, nos arquivos da performance arte apenas os ossos e os esqueletos dos eventos são salvos e admitidos no arquivo – ela refere-se a registos como a fotografia, o vídeo, ou o áudio. Já a “carne” é um objeto desconsiderado para conter memória. Sehgal, ao não documentar as suas peças, obriga o corpo, a ser o único vestígio e testemunho do evento. Ele vê a “carne” como um objeto material onde pode depositar e confiar o seu arquivo. É à natureza escorregadia e subjetiva do corpo que Sehgal confia a construção da sua peça e posteriormente do seu arquivo.


[4.] Como um braço que se estende para dentro do Arquivo da Instituição

Como propôs Mauricio Lazzarato no ensaio “Art, Work and Politics in Disciplinary Societies and Societies of Security”, construir novos modos de existência regidos apenas pelo regime estético quando queremos entrar na esfera política - já não é suficiente. Ele defende que “Só é possível articular o que significa uma situação com uma ação capaz de a transformar.” [6] O argumento de Lazzarato pode relacionar-se com o trabalho de Sehgal. Ao produzir um objecto que sugere outro tipo de ordem dentro das estruturas de um arquivo, e consequentemente da infraestrutura do museu, Sehgal não propõe apenas uma nova forma de arquivar, ele vai mais longe - convida as instituições a mudanças radicais para poderem expor e preservar o seu trabalho. A sua obra projeta a arquitetura do seu próprio arquivo - como se a sua obra lançasse um braço invisível para dentro do arquivo das instituições.

Mesmo quando nos dizem fazer o contrário, as instituições estéticas nas suas estruturas arquivísticas habituais fazem-nos acreditar que aquilo que constitui arquivos é eterno, firme, sólido e nunca efémero. O que Sehgal propõe é um arquivo cuja função não pode ser totalmente desempenhada por uma instituição. O seu arquivo é constituído e operado pelas memórias de seres humanos. Assim, através da natureza transitória e circunstancial da arte, Sehgal afirma a natureza transitória e circunstancial da construção um arquivo.

 

 

Isabel Costa
Terminou recentemente o mestrado Eramus Mundus Crossways in Cultural Narratives, passando pela Universidade Nova de Lisboa (pt), a Universidade de Perpignan (fr) e a Universidade de Guelph (ca). Completou a licenciatura em Teatro na Escola Superior de Teatro e Cinema. Em simultâneo, e para além da vida académica, tem participado em diversos projetos artísticos na área do teatro e do cinema.


:::

 

Notas

[1] “Nós não levamos nada, não assinamos um contrato, não levamos um certificado, nem nos é permitido fotografar a obra” Klaus Biesanbach, Curator Chefe do Departamento de Média e Performance Arte no MOMA.

[2] Termo usado pelo artista – significa o momento em que a peça se desfaz.

[3] Tino Sehgal, entrevista com Hans-Ulrich Obrist, “Interview Project“, Volume II, 828.

[4] Alfred Gell, “Art and Agency, An Anthropological Theory“ , Clarendon: Oxford, 1998,142.

[5] Rebecca Schneider, “Performance Remains.” Performance Research, 2014: 100-108.

[6] Mauricio Lazzarato, “Art, Work and Politics in Disciplinary Societies and Societies of Security,” Radical Philosophy 149, May-June 2008, 26

 

 

:::


Este texto resulta da intervenção que Isabel Costa fez no colóquio “O que é o Arquivo?” organizado pelo Arquivo Municipal de Lisboa na Fundação Calouste Gulbenkian em março de 2017.