Links

O ESTADO DA ARTE


José António Pinto Ribeiro. Fotografia: Paulo Fehlauer/Folha Imagem

Outros artigos:

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 
share |

VANITAS

AUGUSTO M. SEABRA

2008-11-25




Tinha-o escrito em Fevereiro, pouco depois da nomeação do novo titular da pasta da Cultura: “O quiproquo suscitado pela confusão dos dois Pinto Ribeiro quando da recente remodelação ministerial é bem menos anedótico do que possa parecer: um ministro, um ministro da Cultura, é um responsável político e não necessariamente alguém com amplas provas dadas como programador cultural. Aprecie-se ou não José António Pinto Ribeiro, não é sua característica ser personagem secundária, e a sua longa experiência da política, mesmo que em termos públicos mais associada a questões de direitos, liberdades e garantias, é de molde a esperar uma afirmação que retire o Ministério da Cultura do estatuto de absoluta menoridade que tem tido no governo Sócrates (Um ministro, óbices e responsabilidades in Artecapital, 20 de Fevereiro 2008).

Repetidamente fiz notar que essa sua “característica” de não ser “personagem secundária”, pense-se o que se quiser em termos pessoais, podia não ser negligenciável em termos políticos: para se impor em termos justamente políticos um ministro necessita de visibilidade, de um pragmatismo que lhe permita, entre outros aspectos, uma outra capacidade negocial, tanto mais urgente dado o quadro financeiro asfixiante do sector. E tanto mais era urgente quanto por cumprir até existia, e existe, uma taxativa declaração no Programa do Governo: “O compromisso do Governo, em matéria de financiamento público da cultura, é claro: reafirmar o sector como prioridade na afectação dos recursos disponíveis. Neste sentido, a meta de 1% do Orçamento de Estado dedicada à despesa cultural continua a servir-nos de referência de médio prazo, importando retomar a trajectória de aproximação interrompida no passado recente.”

Ilustre advogado, homem de palavras, José António Pinto Ribeiro começou no entanto o seu mandato da pior maneira, afirmando que seria “possível fazer melhor com menos dinheiro”. Perceber-se-á a vontade de marcar a ruptura com a antecessora, Isabel Pires de Lima e projectos megalómanos e mal negociados como o eventual pólo do Hermitage, compreender-se-á um desejo de rigor quanto à execução orçamental, mas a frase foi de uma total infelicidade, dada o estrangulamento financeiro do sector – e é daquelas que permanecem, como de resto se constata.

Desde os 0,7% em 2001, no segundo Governo Guterres, até aos actuais 0,4%, que a parte da Cultura no OE tem vindo a diminuir – qual quê que “a meta de 1% do Orçamento de Estado dedicada à despesa cultural continua a servir-nos de referência de médio prazo”!

Por outro lado, se havia aspecto em que, pela sua experiência de advogado de negócios e rede de contactos, algo de muito importante poderia esperar-se de José António Pinto Ribeiro, era num outro aspecto também previsto no Programa do Governo e entretanto flagrantemente denegado, a revisão da Lei do Mecenato: “rever e regulamentar a Lei do Mecenato, de modo a torná-la mais amiga dos projectos culturais de pequena e média dimensão”. Ora, que ocorreu? Confirmando que tem contactos, o ministro providenciou a angariação dos apoios mecenáticos que permitiram a compra pelo Estado do quadro de Vieira Portuense “A Súplica de Inês de Castro”, mas o tempo passou e o novo quadro legislativo é nenhum. Esse era um aspecto fundamental, ainda que haja a notar que substancialmente é o aumento dos investimentos públicos que gera também capacidade de atracção de mecenato, quadro que, admite-se, será dificultado pela actual grave crise (dois dados: o primeiro banco nacional directamente atingido pela crise é o Banco Privado Português, promotor da Ellipse Foundation; em Espanha, um dos países com mais grave situação, houve um substancial aumento das verbas orçamentais para a Cultura na perspectiva de um refluxo mecenático). Mas, nem que fosse para os sublinhados “projectos culturais de pequena e média dimensão”, nem que fosse sobretudo porque é um compromisso do governo, era exigível a sua concretização – e nada.

Facto é que, pouco salientados, os problemas vão-se acumulando: a representação portuguesa na Bienal de Arquitectura de Veneza subordinada à temática “Interior/Exterior”, representação a cargo de Souto Moura e Ângelo de Sousa, abriu já depois da inauguração (e lamentável é também que a imprensa portuguesa nem tenha dado por um facto de tal gravidade, de responsabilidade da Direcção-Geral das Artes), e é sabido que a Fundação de Serralves não está a honrar os seus compromissos por aquisições junto de galerias por não ter ainda recebido do Ministério nenhuma parte do contributo anual estatutariamente fixado, em incumprimento das práticas até agora existentes.

A certa altura do percurso, Pinto Ribeiro teve a noção de que tinha de corrigir o “tiro”: em entrevista à SIC-N, salvo erro a 16 de Julho, citando as percentagens para a Cultura nos diversos anos desde 2001, não deixou de dizer que a tendência teria de inverter-se e que estava certo de que isso iria suceder já no próximo OE – afinal…

Homem de palavras, José António Pinto Ribeiro não foi afinal “homem de palavra”. E inacreditavelmente vem agora (Expresso de 15 de Novembro) dizer da sua insatisfação com a dotação orçamental, afirmando que uma das razões é que “o Ministério não tem credibilidade” e responsabilizando por isso os seus antecessores. E em 11 meses que esforço de credibilização foi o seu?

Isabel Pires de Lima, que não perde uma oportunidade de lançar uma frase “vingativa” sobre o sucessor, teceu a propósito um comentário em que, por uma vez, tem toda a razão: “Prometeu [Pinto Ribeiro] fazer mais com menos, o ministro das Finanças fez-lhe a vontade.”

É inteiramente legítimo que José António Pinto Ribeiro aspirasse a ser ministro. Para mal geral, num sector já em tão grave situação financeira, o seu desempenho na Cultura é um mero exercício de mundanidade e vanitas.



Augusto M. Seabra
www.letradeforma.blogs.sapo.pt