Links

PERSPETIVA ATUAL


Tal R. Foto: Michelle Korbø.


Tal R, Hempel, 2011. Lápiz sobre papel, 77 x 113 cm. Courtesia: ARoS Aarhus Kunstmuseum.


Tal R, People From Clock (2009)


Tal R, Relations to Plant (1999)


Tal R, Rosa Smoke, 2013. Pigmento e cola de Coelho sobre tela, 112 x 97cm.


Tal R, Spiral Bar, 2002. Caneta sobre papel, 23.5 x 32cm.

Outros artigos:

2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

À PROCURA DE FORMAS



TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT

2016-01-08




 


Fabrice Hergott: Para começar, uma pergunta frequente para a qual nunca recebi uma resposta satisfatória: o que é que significa ser pintor hoje?

Tal R: Apenas uma palavra: real. Deixa-me explicar. Tudo está em construção, até a realidade, e há muitas pessoas que recolhem um bocadinho disto e daquilo da história. Isso provocou-me um dilema romântico: Pode a criação vir de algum lugar profundo em vez de andar às compras na história da arte? Por isso comecei a pintar o que estava à minha volta. Fiz pinturas de Copenhaga, apenas espaços simples em que se via a lua reflectida na água. Não porque esteja interessado em ser um pintor vintage, mas porque quero ver se este campo se pode abrir.


FH: Não tens medo de ser antiquado?

TR: Claro, mas quando se tenta qualquer coisa, está-se sempre no limite. Senão, perde-se a oportunidade de fazer algo grande. Para mim, qualquer grande obra de arte segue essa linha.


FH: Isso é uma opinião moralista e uma falsa definição de arte. Fazer arte apenas no limite de qualquer coisa não é garantia de grandeza.

TR: Isso é verdade. Mas penso que se caminhas à beira da catástrofe, do falhanço total, têm-se resultados inesperados. É como andar em pequenas vielas onde te podes perder pelo caminho.


FH: Tens a certeza que vielas pequenas são melhores do que a rua principal?

TR: O meu interesse recai no que está para além da minha imaginação, nas vielas desconhecidas. Como artista, é aí que começo a criar.


FH: O que é a tua imaginação de pintor?

TR: Estas últimas semanas tenho pensado na comparação entre cães e pinturas. As pessoas projectam muitas emoções humanas nos seus cães. Tem-se a mesma sensação quando se vai a um museu. Os visitantes fazem o mesmo com as pinturas: “A rapariga sentada na cama, o rapaz com uma maçã, como se sentem?” Não confio numa pintura que contém demasiada psicologia e sentimentos. Eu confio que a pintura vai olhar para mim de um modo especial.


FH: Queres dizer que a pintura é real quando olha para ti?

TR: De certo modo. Quando se afirma com o seu próprio personagem. É a imagem de alguém sentado ali com uma chávena de café. É só isso. Mas pode alguém pintar esse tipo de coisas agora sem ser regressivo?


FH: Mas isso é uma definição de pintura? Para mim, esse tipo de arte tem muito a ver com cores, luz, proporções. Muitos pintores hoje tentam pintar cenas como as que acabaste de descrever. Eric Fischl, por exemplo. Ou está muito perto da fotografia? Está a fotografia a poluir a pintura? Não tenho a certeza.

TR: Na verdade não, mas concordo que quando vejo uma foto entre o trabalho e o artista, não gosto. É por isso que estou interessado em pinturas onde as pessoas posam para o pintor, não para a câmara. Com Fischl, sente-se sempre a câmara. Com Peter Doig, não. Quando se olha para as imagens que ele usa no seu trabalho, quase se fica desapontado porque se percebe que ele as inventou, ele apenas viu a beleza ali. Um verdadeiro artista.


FH: E tu, que tentas fazer quando pintas uma rapariga sentada no teu atelier, por exemplo?

TR: Primeiro que tudo, não pode ser qualquer pessoa. Têm que me chamar a atenção; deve haver algo perturbador ali. Lembro-me de uma rapariga a fumar à porta de um café, perto do meu atelier. Ela tinha esta bela concepção de juventude, que só dura alguns anos, onde com a nossa idade eu e tu não contamos. Eu gosto de não pertencer ao seu mundo. Mas isso só pode ser um ponto de partida para o trabalho, certamente não o fim. Não consegues manter o teu trabalho pessoal, confinado ao teu atelier. Tem que encontrar a sua saída e deparar-se com alguma brutalidade.


FH: Sim, parece-me que hoje toda a gente tem que partilhar as suas emoções no Twitter e no Facebook. As pessoas estão fascinadas com a vida privada dos outros. Então, porque é que a pintura não pode estar neste nível?

TR: A pintura é um objecto íntimo, mas, voltando à ideia do cão, tem a sua própria vida privada, a sua própria psicologia.


FH: Gosto da maneira como tu projectas nos animais. Parecemos tão distantes deles. Seria um grande passo adiante na filosofia e na ciência compreender o que os animais realmente pensam acerca de si próprios e sobre nós. O mesmo com as pinturas. Deve haver uma maneira científica de olhar para elas. Nós estamos apenas no início disso. Não entendemos ainda o que a pintura é porque, de certo modo, é uma arte muito jovem, com apenas quinhentos anos de vida. Para mim, a forma artística não pertence ao passado. Tenho a certeza que haverá muito futuro na pintura.

TR: Voltando à minha ideia de nem todos os artistas se envolverem num processo emocional, o seu trabalho, em vez disso, emerge de algo que tem integridade, algo real. No meu pensamento, a pintura é mais do que uma construção estética, não vem da pintura. Vem de ideias de estão à procura de formas. Só aí as transportas para a tela e lhe aplicas regras estéticas.


FH: Esta conversa faz-me lembrar uma anedota sobre Degas e Mallarmé. Degas estava a tentar escrever poesia. Foi ter com Mallarmé e disse “oh, querido mestre, é muito, muito difícil escrever poemas. Não tenho ideias.” Mallarmé respondeu “oh, meu querido Degas, para poesia não precisas de ideias. Só precisas de palavras.” Isso é exactamente o que estás a dizer sobre pintura. Só precisa de formas e construções, não ideias. Mas que tipo de forma possui integridade?

TR: Toma uma das melhores pinturas das últimas décadas, “The man with the umbrela”, de Peter Doig. É muito difícil projectar alguma coisa nela; não é sobre nada que tu e eu possamos conversar. Bem, aquele é um grande trabalho: só o podes aceitar por aquilo que é. Reduz-te ao silêncio. Na Europa, onde a maior coisa é o debate, a ideia de ser incapaz de falar é inaceitável.


FH: Isso só funciona para a arte moderna. Antes do século XVIII, a arte pertencia à Igreja e às escolas. Precisavam de pinturas para fazer sentido, ainda assim eram grandes pinturas. Rubens, Velasquez, estavam entre os homens mais influentes do seu tempo, e muitas das suas pinturas, que são maravilhosas, têm a ver com ideias.

TR: Gosto de acreditar que uma pintura pode ser explicada através da forma. Mas para a experienciar, tens que confrontá-la. Só então podes notar que alguma coisa se move ali, algo que te olha e te torna inseguro sobre o que realmente estás a ver. Tem este espaço onde não podes entrar. De facto, se queres experienciar o prazer de uma pintura, tens que te dar a este mistério.


FH: Há uma maneira de conseguir esta falta de psicologia através da pintura?

TR: Sim, há. Cedendo à pintura como um objecto autónomo. Precisas de parar de pensar como um humano e mais como uma obra de arte. Para fazer isso, precisas de estabelecer a pintura no seu próprio mundo; tens que chegar a um ponto onde a pintura se resolve a si própria. És um elemento exterior ali e devias aprender a apreciar esse papel. Mas quando andas num museu com guias, eles tentam sempre fazer cehgar as pessoas à pintura da mesma maneira que fariam com animais ou sentimentos. Todos sabemos que esta é a porta errada.


FH: Então, na tua opinião, se quiseres projectar psicologia numa pintura, a pintura precisa de estar livre de psicologia?

TR: Não verdadeiramente. Só precisas de deixar emergir a própria psicologia da pintura. Ela está lá, mas não a encontramos porque tentamos responder a esta psicologia com a nossa mente humana. No fim, estamos apenas a proteger as nossas emoções e perdemos a beleza da pintura.


FH: Dizes que uma pintura pode ser um objecto não humano?

TR: Sim. Acima de tudo, uma pintura é uma pintura.


[versão portuguesa do original inglês publicado na revista L’Officiel Art, de 1 de Dezembro de 2015]