Links

PERSPETIVA ATUAL


Museu da Acrópole. Fotografia: Aris Messinis. Agence France-Presse - Getty Images


2ª Bienal de Atenas 2009: HEAVEN


2ª Bienal de Atenas 2009: HEAVEN


Platform Garanti Contemporary Art


Oda Projesi - Seçil Yersel, Özge Açıkkol e Güneş Savaş


Oda projesi + gökcen ergüven (kart ve sergileme tasarımı), “Please, don't step on the green!”


Oda projesi + gökcen ergüven (kart ve sergileme tasarımı), “please, don't step on the green!”


Marlene Dumas, “Jen”, 2005


Marlene Dumas, “Measuring your own grave”


William Kentridge. Desenho realizado a partir de “Mine”, 1991


William Kentridge. Desenho realizado a partir de “Zeno Writing”, 2002


David Goldblatt, “Incomplete houses, part of a stalled municipal development of 1000 houses. Lady Grey, Eastern Cape, 5 August 2006”. Cortesia: Haunch of Venison.


Espaço MUVART. Conversa: "Qual é a tua revolução?"

Outros artigos:

2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



OS ESTADOS DAS ARTES VISUAIS FORA DOS CENTROS (PARTE II)



ANTÓNIO PINTO RIBEIRO

2010-03-01




(...) No âmbito deste trabalho inventariam-se oito casos de estudo de situações emergentes e tradicionalmente tidas como periféricas: Brasil, Chile, China e Hong Kong, Grécia, Turquia, África do Sul e Moçambique, sendo que não há um modelo que lhes seja comum e muito menos um estado das artes semelhante. (...)


GRÉCIA

É um país com pouca tradição na criação artística moderna e contemporânea, para o que contribui, decididamente, a sua instável situação económica. O mercado continua muito direccionado para a arte da antiguidade, embora nas últimas décadas se tenha registado o aparecimento de algumas galerias em Salónica e Atenas onde podem ser vistas obras de arte contemporânea. Os ateliês dos artistas são também um lugar privilegiado para a aquisição directa de trabalhos. Para além das galerias, existem três museus de arte contemporânea (dois nacionais) que promovem os artistas contemporâneos e, dada a dimensão do país, existem bastantes coleccionadores. As galerias gregas tentam estar cada vez mais presentes nas feiras internacionais, mas são também cada vez mais os coleccinadores estrangeiros que viajam à Grécia para comprar peças de arte. No entanto, não existem bons dealers e tudo depende da iniciativa dos próprios artistas, que têm colaborações regulares com galerias de Nova Iorque e Londres.

O Estado e os diversos governos têm estado quase ausentes desta área da actividade artística e criatividade, não se podendo falar da existência de uma política cultural para o sector. As prioridades têm sido sempre o teatro e a música, raramente as artes plásticas e quando há interesse, este é pontual e no âmbito de grandes eventos, como actonteceu na China com os recentes Jogos Olímpicos. Na falta de uma política governamental concertada, as iniciativas são pontuais e não têm continuidade. O apoio do Estado vem de forma indirecta, através dos museus nacionais de arte contemporânea (um em Atenas e outro, o mais recente, em Salónica). Começa a existir algum mecenato de origem bancária, de contornos muito conservadores, e de fundações privadas, como a Fundação Onassis, mas não se podem ainda considerar significativos. Para a maioria dos artistas contactados é um facto que os apoios da União Europeia, através de várias linhas de financiamento, têm tido uma importância fulcral no estímulo à produção artística, sendo a Grécia um dos países que melhor tem sabido beneficiar destes apoios.



TURQUIA

Recentemente, quer dizer, nos últimos cinco anos e em função da participação de muitos artistas turcos em fóruns internacionais criou-se um pequeno mercado de arte na Turquia. Os coleccionadores compram indiferentemente tanto aos artistas, como às galerias, muitas delas presentes nas principais feiras de arte. E a par dos turcos, os artistas do Médio Oriente têm também compradores e curadores interessados em expô-los. Mas, os museus turcos só há pouco começam, e muito lentamente, a comprar arte contemporânea. Do ponto de vista governamental, não tem sido notória uma política cultural de apoio ou incentivo à criação contemporânea. O Ministro da Cultura e do Turismo, como é designado, tem criado algumas linhas de acção, mas direccionadas para a conservação do património. No entanto, esta recente alteração no estado das artes na Turquia não surgiu do nada. Na verdade, há histórias de galerias solitárias – Borusan Art Gallery, Platform Garanti Contemporary Art Center –, de espaços alternativos, quase clandestinos – Hafriyat, Oda Projesi e Apartment Projesi – de coleccionadores singulares, isolados e anónimos que sustentaram alguns projectos artísticos a partir da década de 1990.

O acontecimento mais importante para a vida artística da Turquia no que diz respeito às artes visuais é a Bienal de Istambul, organizada pela primeira vez em 1987 por uma instituição de carácter privado – The İstanbul Foundation for Culture and Arts. Alternativa ao circuito trendy das bienais euro-americanas, no seu programa conjugam-se sempre aspectos de natureza estética com outros eminentemente políticos. A 11ª e última, realizada em 2009, teve por título “What Keeps Mankind Alive” e foi comissariada pelo colectivo de Zagreb, o WHW (What, How & for Whom). Esta é uma Bienal que ensaia modelos diferentes de produção, de curadoria e de finaciamento e é sempre motivo de debate franco, público e apaixonado entre a comunidade artística turca e do Médio Oriente. Um dos aspectos mais singulares da produção artística mais recente dos artistas turcos prende-se com as questões de documentação e arquivo, bem como da publicação sistemática, o que originou a criação de galerias de arte – BAS, Yapi Kredi, Garanti Galeri, Platform Garanti – dedicadas a estes aspectos da produção de narrativas artísticas. A diáspora turca está fortemente representada em Berlim, tendo desde há muito acompanhado a emigração para o principal país de destino dos turcos, a Alemanha.



ÁFRICA DO SUL

O mercado das artes para os artistas sul-africanos é prioritariamente internacional. 60% a 80% das vendas das galerias sul-africanas são para o estrangeiro e as feiras de arte internacionais jogam um papel fundamental nestas vendas, tal como as revistas de arte e os curadores sul-africanos. Uma grande parte dos artistas sul-africanos mais sucedidos vive no estrangeiro, como Candice Breitz, Robin Rhode e Marlene Dumas, confirmando um fenómeno que emergiu com muita força no início da década de 1990. Mas, também é um facto que artistas notáveis, como David Goldblatt, William Kentridge, Berni Searle e Nicholas Hlobo, vivem e trabalham na África do Sul. No entanto, estes artistas beneficiam da abertura ao mercado global e ao enorme investimento e curiosidade que os curadores têm direccionado à produção artística deste país. As galerias têm conseguido criar um mercado local e internacional e com isso desenvolvido um coleccionismo muito importante, onde se destaca a coleção da família Enthoven, em Stellenbosch, e a Gordon Schachat Collection, em Joanesburgo. O focus da Colecção Enthoven é a África do Sul, com peças compradas tanto no país como no estrangeiro. É deste modo que artistas já no circuito internacional, como Anton Kannemeyer, Conrad Botes, e Nicholas Hlobo, têm sido apoiados juntamente com os artistas locais. Por seu lado, a Colecção Schachat é uma colecção com uma forte presença de artistas estrangeiros, mas com a subtileza de traçar ligações a África, de que um dos exemplos são as obras do nigeriano Yinka Shonibare. A estratégia de aquisição da Schachat é centrada num número muito reduzido de artistas: Robin Rhode, Berni Searle, Johannes Phokela, William Kentridge, Wim Botha e David Goldblatt.

A criação, em 2008, da feira de arte contemporânea de Joanesburgo (Joburg Art Fair) veio gerar enormes expectativas face ao desenvolvimento de um mercado local, pretendendo também ser uma mostra da criação contemporânea sul-africana. No circuito das galerias, existem três muito importantes, cuja qualidade e singularidade faz delas duas das melhores galerias do mundo. São elas The Goodman Gallery – cuja galeria-mãe está em Joanesburgo, mas que tem um segundo espaço na Cidade do Cabo –, que representa William Kentridge, Mikhael Subotzky e Lolo Veleko, entre outros artistas. Do mesmo modo, a Galeria Michael Stevenson, com os seus 500 metros quadrados na Cidade do Cabo, é uma galeria fundamental para conhecer a arte contemporânea sul-africana nas suas várias disciplinas, representando artistas como Berni Searle, Pieter Hugo, Nicholas Hlobo, e Guy Tillim. Nos últimos três anos esta galeria programou também artistas de outras regiões culturais e agora trabalha com Meschac Gaba (Benin/Holanda), Odili Odita (USA/Nigeria), e Youssef Nabil (EUA/Egipto). Em Joanesburgo a parceria Brodie/Stevenson é uma plataforma importante para a apresentação dos artistas mais jovens.

Na África do Sul os organismos públicos têm tido um papel muito secundário na arte contemporânea. Excepção deve ser feita à Johannesburg Art Gallery e ao Nelson Mandela Metropolitan Art Museum em Port Elizabeth, que têm inclusivamente um programa de aquisições anuais e a constituição de acervo contemporâneo. Em relação a outros organismos, a galeria do The Standard Bank, aberta em Joanesburgo em 1990, tem uma programação anual de exposições de arte contemporãnea. As mais recentes foram as retrospectivas de Willem Boshoff e de Marlene Dumas. Dada a ausência de apoio governamental e de uma política cultural para esta área, são muitas vezes as galerias a realizar o papel pequenos centros de arte contemporânea. A Goodman e a Michael Stevenson fazem-no permanentemente. A Goodman acaba de fechar uma exposição dedicada a Gavin Turk e Thomas Hirschhorn inaugurou na Michael Stevenson, a 21 de Janeiro, a sua última exposição.



MOÇAMBIQUE

Moçambique é um país com uma das mais fortes tradições de fotografia, arte em que muito cedo se destacou Ricardo Rangel recentemente falecido. A par desta tradição artística, iniciada nos anos 50 do século passado, há que mencionar uma outra figurada por Chichorro, Malangatana e Shikhani que, na sequência da apropriação por parte de pintores africanos da arte modernista europeia, passaram a ter uma visibilidade internacional importante, sendo considerados muitas vezes como os mais representativos da artes visuais moçambicanas.

Depois do período colonial, a guerra civil que durou quase duas décadas estrangulou as poucas estruturas que Moçambique possuía ao nível da exibição e de formação artística. Recentemente, a par do Museu Nacional de Arte (MUSART) que tem em exposição permanente o seu acervo de artistas moçambicanos e pontualmente organiza exposições temporárias, embora estas não tenham ainda muita implantação junto da sociedade moçambicana, existe a Escola Nacional de Artes Visuais (criada em 1983), que dá formação ao nível do ensino secundário e o ISAC – Instituto Superior de Artes e Cultura – o que constitui uma esperança na área da criação contemporânea.

Há cerca de seis anos, de uma forma praticamente inesperada, surgiu um movimento artístico, o MUVART, constituído em 2002 por uma geração de novos artistas com idades compreendiadas entre os 25 e os 40 anos, que operou uma ruptura fundamental no tradicionalismo pictorial que entretanto se tinha instalado nos pequenos circuitos de encomendas do Estado, dos restaurantes e de algumas embaixadas. O MUVART nasceu para dar expressão a um movimento de procura de novas linguagens estéticas, contaminação de técnicas e de processos. Fruto de uma outra atitude mais internacional, alguns dos artistas membros deste grupo – Gemuce, Jorge Dias, Pinto, Anésia Manjate, Celestino Mudaulane – cedo se internacionalizaram, participando em exposições na Europa, África do Sul e Brasil. O circuito dos workshops tem sido igualmente importante para estes artistas. Contudo, a fragilidade financeira do país, a par de uma política cultural muito vocacionada para o nacionalismo cultural, não tem permitido que os artistas tenham as condições mínimas para um trabalho permanente e seja evidente a sua internacionalização nos mercados de arte. Não existem ainda colecções públicas de relevo. Um ensaio de colecção de arte contemporânea foi feito pela companhia aérea LAM, que cedo desistiu. O único coleccionador, que é simultaneamente o grande mecenas desta geração de artistas e comprador da maioria das obras que foram vendidas em Moçambique, é o engenheiro Álvaro Teixeira, mas a sua colecção não é pública. Não existem actualmente galerias locais profissionalizadas e as exposições são maioritariamente realizadas no Centro Cultural Franco-Moçambicano, actualmente com critérios de selecção muito abrangentes, e muito residualmente no Centro Cultural de Portugal. Curiosamente, a Embaixada da União Europeia não tem qualquer relevo nesta matéria. Depois dos anos de ouro da fotografia moçambicana, há hoje um pequeno grupo de fotógrafos cuja qualidade é evidente – Mauro Pinto, Luís Cabral, José Cabral, Funcho –, mas cuja capacidade ou vontade de se darem a conhecer, e portanto de partilhar as suas imagens, é pouco ousada.

O MUVART, como qualquer movimento artístico, passados estes anos iniciou um processo de desagregação, mas ficou uma série de artistas cuja qualidade e pertinência artística são de realçar: Celestino Mudaulane, Gemuce, Gonçalo Mabunda, João Petit, Lourenço Pinto, Titos Mabote, Maimuna Adam, Jorge Dias.


Nota do autor

Este artigo só foi possível dada a generosa colaboração de José Bechara, Maria Vlachou, Sandra Lourenço, Esra Sarijedik, Federica Angelucci, Elisa Santos, Beatriz Bustos e Ana Barata a quem muito agradeço.


António Pinto Ribeiro




Nota da editora
A primeira parte deste artigo está disponível em: www.artecapital.net/perspectivas.php?ref=107
Cialis buy usa tadalafil propecia online buy cialis vs viagra drug cialis vs viagra sales sildenafil citrate 50mg buy ed pills order ed pills otc, india in vardenafil tablets 50mg tadalafila.
There generic levitra a is viagra better than cheap levitra generic buy buy vardenafil canada, mg dosage levitra 40 mg 20 tadalafil online india.
Generic overnight viagra cheap buy jelly uk viagra http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra effectiveness prices propecia at costco http://www.saludos.com/award.htm cheap ed pills, india cialis generic from buy india finasteride propecia.
Sale for cialis generic trial for cialis free tadalafil buy 20mg cialis from india mt tadalafil, cialis generic online canada levitra generic viagra cialis online.
Buy generic sildenafil tadalafil 20mg buy price cialis vs viagra difference cialis vs viagra vs levitra buy discount the internet viagra on online ed pills ed pills online over the counter, generico viagra do 50mg comparison uk prices cialis.
Generic uk buy propecia india cialis cheap generic vardenafil http://www.socgeografialisboa.pt/cialis-online-prices/ buy generic cialis online no prescription, sildenafil purchase 40 dosage mg vardenafil.
Cialis uk online generic viagra drugs ed order http://www.socgeografialisboa.pt/buy-propecia-finasteride-canada/ buy propecia online prescription, a doctor india buy viagra without prescription vardenafil cost.
Discount viagra india from buy online tadalafil mg 20 in pakistan levitra viagra dosing, 100mg sildenafil uk citrate cialis generic viagra levitra.