Links

OPINIÃO


Jules Chéret (1895)


Käthe Kollwitz (1924)


Petr Aljakrinskij (1928)


El Lissitzky (1929)


Josef Müller-Brockman (1960)


Atelier Populaire (1968)

Outros artigos:

CONSTANÇA BABO

2018-11-17
CHRISTIAN BOLTANSKI NO FÓRUM DO FUTURO

KATY STEWART

2018-10-16
ENTRE A MEMÓRIA E O SEU APAGAMENTO: O GRANDE KILAPY DE ZÉZÉ GAMBOA E O LEGADO DO COLONIALISMO PORTUGUÊS

HELENA OSÓRIO

2018-09-13
JORGE LIMA BARRETO: CRIADOR DO CONCEITO DE MÚSICA MINIMALISTA REPETITIVA

CONSTANÇA BABO

2018-07-29
VER AS VOZES DOS ARTISTAS NO METRO DO PORTO, COM CURADORIA DE MIGUEL VON HAFE PÉREZ

JOANA CONSIGLIERI

2018-06-14
EXPANSÃO DA ARTE POR LISBOA, DUAS VISÕES DE FEIRAS DE ARTE: ARCOLISBOA E JUSTLX - FEIRAS INTERNACIONAIS DE ARTE CONTEMPORÂNEA

RUI MATOSO

2018-05-12
E AGORA, O QUE FAZEMOS COM ISTO?

HELENA OSÓRIO

2018-03-30
PARTE II - A FAMOSA RAINHA NZINGA (OU NJINGA) – TÃO AMADA, QUANTO TEMIDA E ODIADA, EM ÁFRICA E NO MUNDO

HELENA OSÓRIO

2018-02-28
PARTE I - A RAINHA NZINGA E O TRAJE NA PERSPECTIVA DE GRACINDA CANDEIAS: 21 OBRAS DOADAS AO CONSULADO-GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO PORTO. POLÉMICAS DO SÉCULO XVII À ATUALIDADE

MARIA VLACHOU

2018-01-25
CAN WE LISTEN? (PODEMOS OUVIR?)

FERNANDA BELIZÁRIO E RITA ALCAIRE

2017-12-23
O QUE HÁ DE QUEER EM QUEERMUSEU?

ALEXANDRA JOÃO MARTINS

2017-11-11
O QUE PODE O CINEMA?

LUÍS RAPOSO

2017-10-08
A CASA DA HISTÓRIA EUROPEIA: AFINAL A MONTANHA NÃO PARIU UM RATO, MAS QUASE

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006


100 POSTERS PARA UM SÉCULO



JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20




100 POSTERS PARA UN SIGLO
Fundación Pedro Barrié de la Maza | Corunha
12 Julho-16 Setembro 07




A exposição 100 posters para um século persegue dois ambiciosos objectivos: apresentar a história do cartaz ao longo do século XX e, simultaneamente, pensar a história do século XX a partir dos cartazes produzidos durante esse período.

A limitação rigorosa a cem exemplares da Plakatsammlung (colecção de posters) do Museum für Gestaltung Zürich conduz inevitavelmente à imposição de uma visão subjectiva que lançando um olhar selectivo sobre uma colecção imensa – mais de 330.000 cartazes, dos quais 120.000 catalogados e inventariados – produz uma – entre outras possíveis – visão histórica sobre este objecto gráfico, os meios produtivos que lhes estão associados e as pregnâncias artísticas e sociais que nele se revelam.

A colecção de cartazes do Museum für Gestaltung Zürich dirigido por Christian Brändle é, seguramente, uma das mais relevantes a nível mundial – juntamente com as colecções do Victoria and Albert Museum, do MoMA e do Stedelijk Museum de Amsterdão - e uma das que melhor ilustra a evolução do cartaz desde meados do século XIX até aos nossos dias, documentando bem a sua diversidade temática – destacando-se três grandes eixos temáticos: comercial, cultural e político – geográfica – destacando-se quatro “geografias” dominantes: a Europa; a União Soviética; o Japão e os Estados Unidos - bem como a diversidade de estilos e técnicas – da litografia ao digital – experimentados ao longo do século passado.

O nascimento, em 1866, do cartaz litográfico a cores, graças a Jules Chéret, coincide com o nascimento da própria cultura visual moderna, progressivamente mais vibrante, hiperestimulante e efémera (1). Sendo um objecto artístico reprodutível e “público”, não surpreende que desde o final do século XIX que ele tenha despertado reacções diversas, sendo olhado quer como o sintoma de uma “arte volúvel e degenerada”, próprio de um processo de crise no qual “a arte s’américanise tous les jours” como escrevia Barbey d’Aurevilly (2), quer como a expressão, por excelência, da “era moderna”: “Triunfante, exaltante, pincelado, afixado, arrancado em poucas horas e continuamente agitando o coração e a alma com a sua futilidade vibrante, o cartaz é, de facto, a arte desta era de agitação e riso, de violência, decadência, electricidade e esquecimento.” (3)

O primeiro cartaz impresso conhecido foi produzido em Inglaterra por William Caxton em 1447, no entanto a restrição ou mesmo a proibição – como aconteceu em França durante o século XVII – da afixação de cartazes em vários países ao longo do século XVI e XVII ajuda a explicar que a história do cartaz moderno verdadeiramente apenas nasça após 1869 quando começam a aparecer os cartazes de Jules Chéret.

Percebe-se, pois, que contar a história do cartaz e, nesse gesto, contar a história do século XX através do cartaz (de cem cartazes, mais precisamente) fosse tarefa complexa. Os curadores Balthasar Zimmerman e Bettina Richter conseguem, todavia, vencer o desafio proposto, utilizando o fio cronológico como laço que permite tecer “nós temáticos” a partir dos quais a exposição está organizada.

Assim, após um Prólogo que nos faz o enquadramento macro da exposição – e onde encontramos dois cartazes fabulosos, um de Julius Klinger (1921) e outro de George Tscherny (1975) – surge o primeiro nó temático, O Nascimento de um Medium, que inclui nove cartazes, próximos do Modern Style e da Art Nouveau, produzidos entre 1892 e 1914 e onde se destacam os cartazes de Chéret, de Toulouse-Lautrec e de Alfons Mucha.

A terceira série de cartazes integra cartazes políticos, de resistência e de propaganda, produzidos durante a 1ª Guerra Mundial, aí encontramos os icónicos cartazes de Hermann Max Pechstein e de Käthe Kollwitz.

A quarta série de cartazes, organizada em torno do nó temático Esperança e Saída, revela um significativo alargamento das linguagens utilizadas e uma nova lógica comunicativa associada ao cartaz. A apologia do progresso e da técnica repercute-se directamente sobre a produção gráfica, a linguagem artística e projectual é progressivamente depurada do lastro ornamental; a publicidade actua de forma mais subtil e desenvolve novas estratégias passando, intencionalmente, a criar necessidades; produtos e máquinas convertem-se em objectos-fétiche; a fotografia e o cinema oferecem novos meios figurativos; a nova objectividade e a influência do movimento De Stijl e da Bauhaus influência quer a linguagem formal, quer a intenção comunicativa dos cartazes; a montagem torna-se o procedimento de configuração mais recorrente, permitindo criar simultaneidade, sobreposição e penetração de mundos pictóricos e de mensagens; o construtivismo russo integra elementos fotográficos, tipográficos e ilustrativos criando uma nova linguagem visual capaz de comunicar uma nova utopia social. Compreende-se assim a espantosa diversidade de cartazes reunidos nesta série do cartaz para cinema de Jan Tschichold (1927) ao cartaz da Exposição Russa de 1929 de El Lissitzky e terminando no cartaz de propaganda do regime de Mao (1958).

A pequena série de cinco cartazes subordinados ao tema Europa em Guerra integra cartazes pacifistas e de resistência ao regime Nazi, surgindo-nos cartazes em fotolitografia e offset. O nó temático seguinte A Brave New World? é dos melhor documentados, dezoito cartazes, essencialmente comerciais, com destaque para os anos 40 e 50.

A sétima série mostra cartazes reunidos sob o tema Arte e Pop. Trata-se de uma série magnífica com os cartazes dos Atelier Populaire, Roman Cieslewicz, Andy Warhol e Peter Gee.

A série seguinte, Consumo, depõem-nos já no interior de uma cultura ocidental dominada por um mercado da abundância, ilustrando ainda como determinados valores sociais são integrados numa nova linguagem publicitária – como no cartaz de Oliviero Toscani para a Benetton (1992).

Finalmente, as duas últimas séries intituladas Salvemos o Planeta e Novas Guerras ilustram o envolvimento social e político de artistas e designers, a integração de novas causas – ecologia, terceiro mundo – e o acompanhamento de uma agenda de actualidade – guerra no Golfo; terrorismo – a qual o cartaz sempre conseguiu responder bem.

Numa selecção de 100 cartazes do século XX escolhidos do acervo de um único museu é fácil saltarem à vista muitas ausências. É fácil pensar-se que os períodos entre guerras estão pouco documentados – faltam os cartazes de propaganda fascista alemães e italianos como faltam os cartazes de John Hartfield – que não há cartazes japoneses e que os norte-americanos são escassos – e de James Montgomery Flagg a Milton Glaser são tantos os que são decisivos – que falta ilustrar uma série de movimentos – do Dada ao Punk – e caracterizar melhor a contemporaneidade – Tibor Kalman, Barbara Kruger, Jonathan Barnbrook, Neville Brody, Art Chantry e tantos outros, tudo isso é certo, mas se preferirmos destacar as presenças e o modo como elas estão organizadas não podemos deixar de afirmar que a mostra 100 posters para um século nos oferece um olhar abrangente e consistente sobre um objecto gráfico que, com uma importância central, atravessa o século XX sendo dele testemunha privilegiada.


José Bártolo
Professor e investigador de design e cultura visual



NOTAS

(1) Para uma caracterização do desenvolvimento da cultura visual moderna, leia-se o ensaio de Ben Singer “Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular”, in Lee Charney e Vanessa R. Schwartz (Org.), O Cinema e a Invenção da Vida Moderna, Cosac & Naify, São Paulo, 2001, págs. 115-148.

(2) Jules Barbey d’Aurevilly, Théatre Contemporain, 1870-83, Paris, 1892, pág. 218.

(3) Maurice Talmeyr, L’Age de l’affiche, 1896, Apud. Lee Charney e Vanessa Schwartz, op. cit. , pág. 19.

Boots propecia buy uk viagra pharmacy online a is cialis there generic http://www.socgeografialisboa.pt/buy-levitra-online-cheap/ order levitra online uk, toronto cialis buy india 10mg viagra price in.
Generic cialis tadalafil 40 mg you india in buy viagra can tablets amazon propecia http://www.socgeografialisboa.pt/vardenafil-online-no-prescription/ tadalafil vardenafil, levitra uk pharmacy canada buy levitra online.
Cialis ou levitra viagra reviews levitra vs generic tadalafil to cialis alternative http://www.socgeografialisboa.pt/levitra-uk-prescription/ price of levitra in india, brands tadalafil indian vs levitra cialis.
Propecia without order prescription online viagra usa buy ed online meds cialis 120, viagra online pharmacy canadian overnight delivery online viagra order.
Viagra levitra best or 20 tadalafil cialis mg http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra review bayer levitra mg 40 http://www.saludos.com/award.htm ed pills online, india manufacturers tadalafil viagra difference.
20 mg tablets tadalafil india viagra generic soft rx cheap tadalafil http://www.socgeografialisboa.pt/buy-viagra-melbourne/ buy viagra fast, softsules tadalafil tuf-20 viagra cialis comparison vs price.
Propecia without prescription cheap 20mg cialis alternative cialis http://www.socgeografialisboa.pt/how-to-buy-viagra-uk/ buy viagra online walmart, us propecia buy cost india in of viagra.
Viagra boots prices dysfunction pills erectile best site cialis uk buy propecia for cheap, online levitra generic order in online 50mg viagra india.