Links

OPINIÃO


Fig. 1 – Tanto Mar. Portugueses Fora de Portugal. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 2 – Vista da mesa da recolha material do projecto, nomeadamente da correspondência electrónica. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 3 – Vista geral dos módulos de apresentação dos projectos. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 4 – Vista do mapa de localização dos projectos. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 5 – Vista geral da exposição. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.


Fig. 6 – Vista da vitrine de referências. Imagem gentilmente cedida por Tanto Mar.

Outros artigos:

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

TANTO MAR - ARQUITECTURA EM DERIVAÇÃO | PARTE 2



FILIPA COIMBRA

2014-05-06





[Esta é a segunda parte do artigo Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção sobre a exposição Tanto Mar. Portugueses Fora de Portugal, patente na Garagem Sul do CCB, Lisboa.]



A continuidade e descontinuidade das geografias, dos contextos políticos; da abundância e escassez económicas; e as variações dos ritmos de desenvolvimento urbanístico, desde há muito, contribuem para a volatilidade da «arquitectura social». Ao longo desta descontinuidade da sua história, a «arquitectura social» tem conhecido impulsos variados na visibilidade e discussão que tem provocado tanto a nível disciplinar, como em torno da sociedade. Retomada amplamente na actualidade falamos, então, de uma arquitectura em derivação a partir do prefixo «RE-», sem com isto querer dizer que a sua prática tenha sido alguma vez interrompida. A exposição Tanto Mar, re-situa estas práticas, cartografando-as e expandindo também o terreno de debate sobre as fundamentações que lhe estão por base, que não é alheio ao ambiente político, económico no Ocidente (Europa e EUA) e às suas implicações e respostas sociais.

Anteriormente adiantámos, de forma genérica e mediante considerações de base empírica, que no presente, estas práticas se demarcam da efervescência reivindicativa das décadas de 1960-70. É na multidisciplinaridade, nos contactos informais de afinidades e no networking que reside parte da sua força mobilizadora.
Não queremos com isto dizer que estas práticas são hoje completamente apolíticas, nem mesmo que o desenho da exposição se mantenha à margem de uma orientação política. Boa parte destas experiências além-fronteiras derivam da crise, assumindo-se como uma hipótese face ao actual panorama de estagnação da encomenda em território nacional, diametralmente contrastante com um número crescente de profissionais qualificados. Pertencemos a uma Europa que se encontra agora no rescaldo da “loucura [pseudo] juvenil dos museus e dos estádios”.[7] Uma Europa envelhecida e avarenta que, tomando a crise de 2008 como bode expiatório, pôs em marcha um desgastante plano de austeridade aplicado aos Estados-membros, particularmente a sul e, dramaticamente em Portugal.
É evidente que não podemos desligar completamente os factos políticos destas práticas, nem que seja implicitamente. Arriscar-nos-íamos mesmo a dizer que em Tanto Mar há um discreto “cheirinho a alecrim” que vem de alguma “semente [esquecida] nalgum canto do jardim”, dessa mensagem de esperança contida na música composta por Chico Buarque em 1975 a respeito da Revolução de Abril em Portugal do ano anterior e numa altura em que o Brasil vivia em plena ditadura militar – música esta, que tem título homónimo ao da exposição. [8]
A própria escolha na apresentação do levantamento de dados sobre a emigração em Portugal, para referir a actual situação dos arquitectos portugueses – e que lança dessa forma o próprio repto do projecto – pode ter também uma leitura política, assim como as referências teóricas que são apresentadas na exposição sugerem também essa imbricação com estas questões, não estivéssemos nós no terreno do «social». [Fig. 6]
Segundo as palavras do sociólogo francês Alain Caillé:

“Não há outro objectivo político admissível que não seja o de permitir a uma pluralidade de homens e de interesse conflituais que coexistam, inventando um destino comum. A aposta propriamente democrática é que a melhor maneira de garantir essa coexistência e de fundar um elo social poderoso, longe de reprimir e negar a discórdia, é dar-lhe todos os meios de se fazer ouvir.”[9]

A arquitectura constrói este «destino comum» e este «ouvir» em arquitectura comporta, por conseguinte, uma dimensão e acção políticas. Vinculada na horizontalidade, no envolvimento colectivo, na proximidade e no diálogo, tratam-se de experiências altamente democráticas, implicitamente democratizantes e que, consequentemente, demarcam um posicionamento político, sem que muitas das vezes os próprios protagonistas – arquitectos e comunidades – tenham sobre esse aspecto uma noção demarcada.
Esta posição não sendo militante não é, seguramente, neutral: ao agirem sobre, e principalmente com a sociedade trazem ao debate não só as problemáticas disciplinares – sobre a encomenda e as questões autorais, ... – como ainda, outras transversais, que se prendem com papel activo e efectivo das comunidades no constante redesenhar da sociedade. Certas práticas aplicadas em determinado contexto político e social assumem-se como reconfigurações da própria realidade e nessa convergência entre o visível e as significações podemos encontrar uma certa voz política.

É ,então, pela auscultação e mediação que se aprofundam estas práticas – pelo «spatial agency», conceito teorizado e desenvolvido por Jeremy Till – cuja estratégia reside também no networking.[10] Um bom exemplo disso é o projecto La Légua (Vitório Leite) onde os Mobil Arquitectos se juntam à população para tentar travar o abandono, proposto pelas autoridades municipais, de um Bairro em Santiago do Chile. Através de uma parceria com o Atelier Metropolitano organizaram, numa primeira fase, visitas por parte das autoridades chilenas às favelas do Rio de Janeiro intervencionadas por este atelier, dando a conhecer boas soluções de intervenção urbana que respeitam a identidade da comunidade e que não passam necessariamente pela remoção dos bairros problemáticos, mediante investimento em processos pedagógicos, formativos e soluções pluralistas de envolvimento. Esta proposta aparentemente simples evidencia que, de facto, os efeitos da globalização produziram grandes vantagens na promoção de relações informais de networking, responsáveis por uma cada vez maior colaboração interdisciplinar e por estratégias formativas cada vez mais multidireccionais. A Casa das Baterias, na Guiné-Bissau (Pedro Novo, André Novo e Luís Leal) é outro exemplo de um projecto que revela o mesmo tipo de dinâmicas, combinando a construção do parque fotovoltaico com outras actividades formativas que ampliam, na multidisciplinaridade, a dimensão do projecto e a sua efectiva importância para a comunidade, como o documentário “Luz na Bambadinca Aós”.[11]

A performatividade e frescura latente destes reagenciamentos e colaborações entre protagonistas de diferentes disciplinas, especializações e actuações sociais que pensam o espaço na sua dimensão comunitária e que lhe procuram dar soluções simplificadas, começam a surgir no informalismo da vida das cidades. No Reino Unido, o projecto Ridley’s (Mariana Pestana) é um bom exemplo disso. Resultando da articulação entre vários colaboradores é projectado, numa economia de recursos, um espaço de restauração dentro do perímetro de um mercado que antecipa estratégias de dinamização e envolvimento local. A conceptualização e construção do espaço são simultaneamente articuladas com um sistema alternativo de trocas entre visitantes-mercado-restaurante que assegura o contínuo funcionamento dos espaços e das actividades da comunidade: os visitantes compram produtos do mercado par serem cozinhados no restaurante, ganhando com isso um voucher com uma quantia a descontar na próxima visita. Esta proposta alternativa de participação em cadeia aproxima-se, num certo sentido, ao sistema de «permanente circulação de bens» desenvolvido por Marcel Mauss na teoria da Dádiva.[12]

Esta utilização criteriosa e generativa dos recursos é, talvez, um dos mais interessantes desafios da «arquitectura social». Soluções com menor impacto ambiental, mais baratas e que integrem os recursos disponíveis local ou regionalmente, são algumas das preocupações tidas pelos arquitectos, veja-se o exemplo de envolvimento da comunidade de Chuquibambilla, no Peru (Paulo Afonso), na criação de adereços e equipamentos para a nova escola, essencialmente através do emprego de materiais locais. Esta aposta na conexão afectiva das comunidades com os lugares é explorada em muitos outros projectos, integrando o potencial vernacular com os processos de construção modernos, alinham na mesma direcção apontada por Hassan Fathy no seu Architecture for the Poor: An Experiment in Rural Egypt e posta em prática pelo arquitecto egípcio em Gourna, já em meados da década de 1940.
Outro bom exemplo é o projecto Manica Football For Hope Center em Moçambique (Alina Jerónimo e Paulo Carneiro) que, para além da sensibilização na utilização dos recursos naturais na construção do centro comunitário, criam uma resposta que permite travar, em parte, a desflorestação regional, formando a população no fabrico de blocos terra comprimidos estabilizados (BTCE) em alternativa aos tijolos de barro cozido. Dotando a população dos conhecimentos técnicos e das práticas construtivas insistem na ideia do DIY (do-it-yourself – Não no sentido da individualização mas na autonomização e circulação do conhecimento), cada vez mais explorado nestes projectos de arquitectura comunitária e herdeiro dos manuais de Yona Friedman.

Ainda dentro desta questão da inteligência e criatividade na utilização dos recursos materiais, mesmo quando o seu acesso é limitado ou escasso, a acuidade estética não é negligenciada. São muitos os exemplos na exposição que conciliam estes aspectos, como é o caso da Faculdade de Enfermagem e Fisioterapia de La Salle (México) projectado pelo Arq. João Caeiro, onde as soluções técnicas e materiais, exploram uma visualidade e plasticidade que se funde com a própria temática: a conjugação de vários materiais locais nos revestimentos, cobertura e acabamentos produz efeitos de sugestão temáticos – coluna vertebral, (padrões/materiais sobrepostos) massa óssea (articulação do bambu com o aço) e até elementos da fauna local (composição de diferentes texturas).

Há, de facto, tanto mar para explorar! A heterogeneidade dos projectos é imensa, mas há, contudo, uma evidência: em todos eles a «apropriação», esse tomar o espaço pela comunidade há muito instigado por Lefebvre, é transversal.
De uma forma espontânea e informal, Tanto Mar, concretiza o que é a articulação da arquitectura com os dois prefixos – “CO-” e “RE-”, um mais orgânico, outro mais analítico, respectivamente. Não procura dar respostas para além das prementes – sem que para isso tenha que sacrificar a sua criatividade, muito pelo contrário, activa-a – e é nessa displicência disciplinar, inversamente proporcional ao seu envolvimento social e diálogo multidisciplinar que reside o seu dinamismo. Senta-se com as associações e comissões de moradores; nos bancos de Saint-Nazaire a discutir o urbanismo da cidade; numa fortaleza do séc. XVI a projectar uma cisterna; a ensinar e a fabricar tijolos para as paredes do centro de assistência e sensibilização juntamente com as mulheres de Burkina Faso; senta-se também em estruturas mais improvisadas em campos de refugiados a consciencializar e a formar. Mais do que nos grandes congressos dedicados às “eminentes questões” disciplinares, são estes os espaços e os actores nos quais, e com os quais querem ter, e partilhar assento.
Em Tanto Mar, mais do que uma arquitectura sem nomes, falamos de uma arquitectura sem egos. É a arquitectura da despretensão e derivação, da recusa de se afirmar como tendência, de ser organizada, de ser doutrina, de ser rotina. Ela não se centra, nem concentra em pensar-se: sai de si, circunda-se, mistura-se e age colectivamente.



::::

Filipa Coimbra
é licenciada em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e mestre em Crítica de Arte e Arquitectura pelo Colégio das Artes da Universidade de Coimbra.


::::

NOTAS

[7] Jorge Figueira, “Out of the box: para sul e para oriente. Notas para uma nova geografia da crítica\", PLI* Arte 6 Design, 4, 2013.
[8] Existem duas versões da mesma música compostas pelo autor, uma de 1975 e a outra de 1978 cuja comparação é interessante ser feita. Podem ser ouvidas em: http://www.youtube.com/watch?v=V7JXlmE60r0
[9] CAILLÉ Alain, A Demissão dos Intelectuais – A Crise das Ciências Sociais e o Esquecimento do Factor Público, trad. Armando Pereira da Silva, Col. Epistemologia e Sociedade, Instituto Piaget, Lisboa, 1997, p. 285.
[10] Ver AWAN Nishat, SCHNEIDER Tatjana, TILL Jeremy, Spatial Agency. Other Ways of Doing Architecture, Routledge, 2011.
[11] O documentário resulta de um workshop de vídeo dirigido a 7 moradores da comunidade que consistiu na aprendizagem em 4 dias de algumas técnicas de vídeo reportagem, para seguidamente darem início a uma série de entrevistas junto da população de Bambadinca, sobre a problemática do acesso a energia eléctrica.
[12] O antropólogo Marcel Mauss desenvolveu a Teoria da Dádiva a partir dos relatos de Malinowski sobre o sistema de trocas nas sociedades arcaicas. Desenvolvendo a ideia de uma cadeia de trocas em permanente circulação (Kula) que consiste na obrigação de dar, de receber e de restitui. Ver MAUSS, Marcel, Ensaio Sobre a Dádiva, Edições 70, Lisboa, 2011, p. 93.


::::

[a autora escreve de acordo com a antiga ortografia]