Links

OPINIÃO










Outros artigos:

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO



LUÍS RAPOSO

2015-07-02




 

Em face do conspecto histórico realizado anteriormente, importa passar a perspectivar o futuro, conforme o propósito inicial deste texto.

Admitindo que o argumentário mais tradicional, centrado na defesa de valores de memória e afirmação cidadã, possa ser pouco impressivo no Mundo em que vivemos, dominado por “interesses de mercado”, comecemos por assinalar três características singulares dos sectores do património cultural e dos museus, especialmente em tempos de crise e no contexto específico português, sendo eles:

A capacidade de gerar economia saudável. Como tem sido observado por diversos economistas, em tempos de crise há que ser particularmente selectivo no plano do investimento público, o qual deve ser prioritariamente dirigido para obras que constituam terreno de grande consenso nacional, com expectativa de perenidade, geradoras de emprego, sobretudo a nível local e das PMEs, insusceptíveis de serem supridas pelo estrangeiro e sem possibilidade de transposição ou alienação. Todas estas características encontram-se em abundância nestes sectores. É muito significativo, por exemplo, o impacte no plano do emprego e da dinamização de economias locais de pequenas obras de restauro e monumentos e sítios; e trata-se de investimentos “que ficam”, que se constituirão em mais-valias para o futuro.

O potencial de crescimento. É enorme o potencial de crescimento destes sectores, como se evidencia tanto pelos números passados (cf. em anexo os gráficos de evolução dos visitantes em museus e monumentos, no todo nacional e apenas no universo da DGPC, que revelam um aumento sustentado, apenas ligeiramente interrompido durante os anos mais dramáticos da crise por que ainda passamos), como pelos números relativos a visita a museus no conjunto da Europa (cf. gráfico em anexo, onde se documenta que a posição portuguesa, não sendo má, possui ainda grande margem de crescimento relativo).

A relevância para a actividade turística. O turismo tem sido uma das principais âncoras geradoras de economia (e de divisas em especial) nos últimos anos. Os monumentos e museus surgem como uma das principais motivações para a visita ao nosso País. Contrariamente ao que insidiosamente nos tem sido inculcado, é muito mais o que o património cultural “dá” ao turismo do que o inverso. Em Londres os cálculos estão feitos e possuem já a consistência de mais de uma década de observação da realidade. Os gastos resultantes do chamado “mercado do património” geram um rendimento económico de enorme dimensão. De tal forma que mesmo os Conservadores concluíram que constitui um bom negócio manter gratuito o acesso aos espaços permanentes dos principais museus públicos nacionais, pelo retorno assim obtido. Em termos simples, concluíram que por cada libra perdida em bilhetes, ganham-se 3,5 em actividade económica acrescida na cidade de Londres. Em Portugal não existem estudos semelhantes. Mas imaginemos por um instante o que seria a visita a Lisboa por parte de turistas, senão tivessem a Torre Belém, o Mosteiro dos Jerónimos, o Castelo de S. Jorge ou o Convento do Carmo… E que recebem os monumentos e museus em troca do seu contributo para a mais rentável actividade económica portuguesa e a que mais divisas origina? Nada, simplesmente nada.

Acrescem, nunca é demais assinalá-lo, aos aspectos puramente económicos, as dimensões identitárias e simbólicas que devem constituir a verdadeira motivação de qualquer política pública de património cultural e museus.

Tendo em conta, conjugadamente, os elementos apresentados anteriormente, poderiam resumir telegraficamente como segue os fundamentos do que deveriam ser as orientações para o futuro. Seguirei para o efeito a mesma lógica discursiva usada antes em relação ao balanço do passado.

 

Assim:

 

1. Política patrimonial e sociedade civil.

Neste apartado impor-se-ia, em meu entender:

-Regressar audaciosamente aos valores democráticos de participação cidadã na definição das políticas patrimoniais; neste sentido, seria especialmente importante incentivar a participação activa do movimento associativo, das universidades, das igrejas e outras entidades de acção social e sem fins lucrativos; também o sector empresarial que começa já a existir nestas áreas, deveria ser convocado para uma reflexão conjunta sobre as grandes linhas de política do Estado;

-No sentido indicado, refundar o Conselho Nacional de Cultura ou criar um Conselho Nacional do Património Cultural (sublinhe-se que já na Lei Quadro dos Museus Portugueses encontra-se prevista a constituição de um Conselho de Museus, aliás de composição exemplar, que no entanto nunca funcionou).

 

2. Organização do aparelho de Estado.

Afiguram-se aqui poderem existir pelo menos dois modelos alternativos, ou talvez três se considerarmos uma solução hibrida, que junte aspectos dos dois principais. Vejamo-los:


1º modelo

(mais adequado a uma visão da Cultura enquanto força social agregadora e transformadora e do Património Cultural e Museus, enquanto activos de memória com capacidades de emancipação cidadã):

-Reforço da área da Cultura (recriação do Ministério da Cultura);

-“Acordo de regime” (parlamentar) para aumento do orçamento da Cultura até pelo menos 1% do PIB no máximo de três legislaturas (uma década ou pouco mais);

-Estabelecimentos de protocolos com a Economia/Turismo no caso dos Museus e Monumentos Nacionais (não confundir com todos os monumentos e museus sob tutela do Estado ou sequer da área da Cultura), incluindo a celebração de programas de financiamento plurianuais, porventura indexados a parâmetros de desempenho nos domínios do turismo (nacional e estrangeiro);

-Idem, com o Ministério da Educação, mediante parâmetros educativos, seja de visita por grupos escolares, seja de formação de públicos nacionais;

-Idem, com o Território e Ambiente no caso da monitorização do património cultural não classificado;

-Idem, com as CCDRs e/ou associações de municípios e/ou municípios individualmente, para apoio ou transferência das competências de gestão de museus e monumentos não nacionais (esta seria a via mais indicada para a aproximação do Estado aos cidadãos, e o maior envolvimento destes em políticas patrimoniais, e não a manutenção, muito menos o reforço, das actuais DRCs, como ainda se referirá);

-Neste quadro, extinção da DGPC, com a criação de um Instituto dos Museus e Monumentos Nacionais, dotado de autonomia financeira e com ampla descentralização administrativa (museus e monumentos tutelados, pelo menos os mais relevantes, de estatuto nacional, com capacidades de gestão autónoma: planeamento estratégico plurianual, competência para o estabelecimento de parcerias e protocolos, capacidade de arrecadação e gestão de receitas próprias, dentro de limites a definir, orçamento próprio, gestão e contratação de pessoal dentro de condições a definir); as funções de reflexão estratégica e definição de normativos, monitorização e fiscalização em relação a todo o restante património (Arqueologia, Património Construído, Património Imaterial) manter-se-iam neste Instituto, em Direcções de Serviço centrais, ou poderiam ser partilhadas com as áreas do Ambiente/Território e/ou das CCDRs;

-E ainda: extinção das DRCs, substituídas por “núcleos” ou “brigadas” de intervenção rápida, fazendo uso dos recursos logísticos existentes na rede de museus e monumentos nacionais, com reforço operacional destes, instituindo-os em “centros de recursos” (inventário, conservação e restauro, etc.) ao serviço da sua respectiva região/especialidade. A questão das DRCs merece especial referência porque por certo poderá parecer a menos compreensível, no quadro de uma desejável política de aproximação dos serviços do Estado aos cidadãos. Assim seria se (a) houvesse uma efectiva regionalização e controlo democrático local/regional desses serviços – o que não é de modo nenhum o caso, já que os mesmos não passam de extensões da máquina administrativa central, constituindo dela somente extensões de conveniência política e até, não raro, meramente partidária. Depois (b), se tais serviços tivessem efectivamente uma amplitude de funções que os justificassem – o que também não é o caso, porque basicamente se ocupam apenas do património cultural, sendo residuais em tudo o resto (baste recordar, citando relatório do GEPAC de Janeiro de 2014, sobre “Apoios atribuídos pelos serviços da Cultura no triénio 2010-2012”, que as DRC em conjunto “concederam apoios no montante de €629.478, €645.153 e €315.089, em 2010, 2011 e 2012, respetivamente” e “o peso destes apoios no total de financiamentos atribuídos pelos serviços da Cultura não foi além de 0,9% em 2010, de 1,0% em 2011, e de 0,6% em 2012”). Daqui resulta que o Pais possui no presente não uma, mas cinco direções-gerais do património cultural (a DGPC propriamente dita e as quatro DRCs, cujos dirigentes vencem como directores-gerais e despacham directamente com o membro do Governo); esta situação dá lugar, com frequência, a tensões internas, é despesistas, injustificada do ponto de vista orgânico e sobretudo inconveniente do ponto de vista cívico;

-Transferência para as CCDRs e autarquias da gestão de museus e monumentos não nacionais.


2º Modelo

(menos interessante do que o anterior do ponto de vista da coordenação geral de políticas patrimoniais dentro da área da Cultura; tecnicamente aceitável, porém):

-Manutenção na área da Cultura somente dos Museus e Monumentos Nacionais, com a celebração de programas de financiamento com a Economia/Turismo;

-Transferência para o Território/Ambiente de todas as restantes competências de reflexão estratégica e definição de normativos, monitorização e fiscalização em relação a todo o restante património (Arqueologia, Património Construído, Património Imaterial); e para as CCDRs/municípios da gestão de bens/equipamentos concretos.


3º modelo

(o menos interessante de todos do ponto de vista dos princípios políticos, quer dizer, da Cultura enquanto força de contratualização e transformação social, mas o mais apetecível do ponto de vista dos interesses imediatos de alguns agentes do património cultural, por poder conduzir à rápida inserção em áreas de grandes recursos financeiros):

-Retirada do património cultural e museus da área da Cultura e seu reenquadramento na orgânica do Governo:

-Economia/Turismo: gestão de Museus e Monumentos Nacionais (de tutela directa governamental); explorar aqui a constituição de “centros de recursos” (inventário, conservação e restauro, etc.) aproveitando a rede de museus nacionais;

-Território/Ambiente: reflexão estratégica e definição de normativos, monitorização e fiscalização em relação a todo o restante património (Arqueologia, Património Construído, Património Imaterial) explorar aqui a interconexão com as CCDRs;

-Transferência da gestão de museus e monumentos não nacionais para as CCDRs, associações de municípios ou municípios isolados


Eis, pois, uma estratégia de futuro. Discutível, por certo. Errada em alguns ou até muitos aspectos, talvez. Mas ainda assim uma verdadeira estratégia e não apenas adaptações circunstanciais, ao estilo do “mudar alguma coisa, para que tudo fique na mesma”.

 

 

 

Luís Raposo
Vice-Presidente da Associação dos Arqueólogos Portugueses.